ACNUR inclui gestão do meio ambiente em acampamentos na Tanzânia

Na Tanzânia, refugiados usam apenas lenha como fonte de energia – Foto: Sebastian Rich/ACNUR

Na Tanzânia, refugiados usam apenas lenha como fonte de energia – Foto: Sebastian Rich/ACNUR

A Agência da ONU para Refugiados, ACNUR, está traçando uma estratégia inédita na Tanzânia, que une meio-ambiente e bem-estar. O objetivo é estabelecer um novo padrão para que as operações com refugiados no país tenham menor impacto no meio ambiente. Neste país africano, 250 mil refugiados são 100% dependentes de lenha para cozinhar e suprir outras necessidades energéticas.

Mark Gibson, consultor do ACNUR que está redigindo a estratégia, explica que ela é abrangente e holística. E relata que a ideia é assegurar que os refugiados “sejam acolhidos de forma a prevenir, minimizar e corrigir danos ambientais por meio de intervenções que respeitem as relações entre o uso dos recursos naturais, a qualidade ambiental, a saúde, o bem-estar e as necessidades das comunidades de refugiados e de anfitriões”.

A estratégia estabelece um plano para a conservação e gestão dos recursos ambientais, como uso de combustíveis alternativos e métodos de cozimento mais eficientes. Além disso, apresenta ideias para melhorar a conservação da água, a segurança alimentar e a gestão de resíduos. A iniciativa reúne refugiados e integrantes das comunidades anfitriãs.

Um dos maiores desafios é que o principal mandato do ACNUR não é a proteção ambiental, o que exige esforços adicionais em ambientes onde as pessoas estão mais focadas em ações humanitárias, como proteção, abrigo, educação é saneamento básico. “O meio ambiente perpassa todas essas esferas, então realmente precisa ser incorporado”, alerta o técnico.

A estratégia da Tanzânia integra a gestão ambiental às atividades de gestão de campos e olha adiante, considerando os impactos ambientais de atividades em todos os setores: do abrigo à educação.


ONU Brasil