Brasil terá 1º hub de inovação para a indústria mineral

Inédita no setor em nível global, iniciativa de mineradoras brasileiras em parceria com a WeWork pretende impactar positivamente a competitividade do setor no país nos próximos anos


WeWork, maior rede de espaços de trabalho do mundo, anuncia a chegada ao Brasil de uma iniciativa pioneira para a indústria minerária em nível global. Com a participação confirmada de alguns dos principais players do setor, a empresa inaugura em Dezembro um centro de inovação para startups, empreendedores, mineradoras e empresas integrantes da cadeia de fornecimento da indústria. O Mining Hub – Hub da Mineração, como foi batizado o projeto, ocupará um dos seis andares do prédio da WeWork em Belo Horizonte (MG). O espaço tem a missão de gerar inovação aplicada aos desafios da mineração industrial, uma das principais atividades econômicas do País.

 

O projeto, que conta com o apoio do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), é inédito por reunir todos os players de um mesmo setor interessados em trabalhar de forma conjunta para desenvolver soluções a desafios estratégicos e operacionais comuns às suas operações, divididos em cinco áreas: Segurança (Operacional e SSO – segurança e saúde ocupacional); Gestão da Água; Fontes de Energia Alternativa; Eficiência Operacional; e Gestão de Resíduos. Para tanto, durante um ano, empreendedores e startups serão acelerados em ciclos de três ou quatro meses, com o apoio da Neo Ventures, empresa com vasto histórico na aceleração de startups e programas de inovação aberta para corporações.

 

A partir de uma iniciativa da Ferrous, diversos outros players do setor também aderiram ao projeto, como explica Gustavo Roque – Gerente de Gestão e Inovação da Ferrous e coordenador da iniciativa por parte das mineradoras: “Há algum tempo percebemos que a inovação é um pilar fundamental para a transformação da atividade de mineração no nosso país. Já contamos com a participação de nomes como Anglo AmericanAngloGold AshantiArcelorMittalCBMMCSNGerdauKinrossNexaSamarcoUsiminas  e Vale e tenho convicção de que, juntos, poderemos transformar o Mining Hub em um importante espaço de troca e aprendizado que gerará impacto positivo para toda a cadeia e stakeholders do setor”, conclui.

 

“Vamos fazer a indústria mineral dar um salto em inovação e, ao mesmo tempo, gerar muitos negócios e oportunidades para empresários e profissionais ligados à tecnologia, à inovação e a outros segmentos no Brasil”, afirma Walter Alvarenga, diretor-presidente do IBRAM. “Acreditamos e apostamos tanto nessa nova ideia que, inclusive, vamos transferir nosso escritório de Belo Horizonte para o ambiente do Mining Hub. Vamos fazer parte do dia a dia desse ecossistema de inovação voltado para o setor mineral”, conclui.

 

Entre as vantagens para fornecedores da cadeia de mineração que optarem por garantir o seu espaço no Mining Hub está a proximidade com as startups selecionadas, com possibilidade de atuação como clientes-anjo, realização de soluções conjuntas e venda cruzada – ou, ainda, de potencial joint venture, spin-in ou M&A. Além disso, vale destacar o acesso a um programa de inovação aberta conjunto, com custo e complexidade mais baixos, melhor estrutura e maior agilidade se comparado a programas individuais. Já confirmaram presença no espaço empresas como Haver Brasil, IHM Stefanini, ISQ, Petronas e ThyssenKrupp.

 

Do lado das mineradoras, a expectativa é que o resultado desse trabalho unificado contribua para que se tornem mais competitivas e, com isso, possam, inclusive, conquistar maior presença em mercados internacionais. Além disso, o Mining Hub buscará gerar conhecimento, novas tecnologias, produtos e serviços e, inclusive, patentes registradas por pesquisadores brasileiros – já que, até hoje, as interações entre as grandes indústrias minerais e as startups ocorrem de forma fragmentada, individualizada por empresa.

 

Projeto integra o WeWork Labs

Mining Hub integra o WeWork Labs, iniciativa global da WeWork para apoio a startups em estágio inicial, trazida ao Brasil no início de 2018. Ele é dividido em duas frentes: de um lado, a plataforma capacita startups e empreendedores, por meio da oferta de espaços de trabalho e uma programação que conta com uma rede de mentores exclusiva, curadoria de conteúdos, ferramentas desenvolvidas internamente e um funcionário da WeWork dedicado exclusivamente ao projeto (Labs Manager), responsável por conectar as startups com mentores, clientes e, eventualmente investidores e fundos.

 

Já na frente voltada para grandes empresas, o WeWork Labs se propõe a contribuir para que organizações de qualquer segmento possam se desenvolver e inovar em suas estratégias de atuação, a partir da aproximação com essas startups, que poderão apoiá-las de maneira customizada na solução de seus desafios, por meio de tecnologia e transformação cultural. Em ambos os casos, a iniciativa conta com parcerias junto a universidades, aceleradoras, incubadoras, empresas de venture capital e especialistas de diversos setores, criando e apoiando um ecossistema de inovação, que colabora para o sucesso desses negócios.

 

O WeWork Labs já conta com cinco espaços em São Paulo e Rio de Janeiro, mas terá em Belo Horizonte a sua primeira unidade focada em uma área de atuação específica.

 

“Para a WeWork é uma honra fazer parte deste movimento inovador desse setor tão importante para a economia do estado e do país. Esperamos poder contribuir e apoiar a iniciativa da melhor forma possível, colocando à disposição de toda a cadeia, além de um espaço físico que estimule a geração dessas ideias e soluções, a nossa ampla rede de conexões espalhada pelo Brasil e pelo mundo”, afirma Bruno Scolari, responsável pelo WeWork Labs em Minas Gerais.

 

A primeira WeWork mineira, com inauguração marcada para o dia 22 de novembro, terá capacidade para 800 posições de trabalho na primeira fase de abertura. No Brasil desde 2017, a empresa, avaliada em US$ 20 bilhões, já conta com onze endereços em duas capitais, São Paulo e Rio de Janeiro, e mais de 12 mil pessoas trabalhando em seus espaços. Até o fim do ano, a WeWork pretende chegar a 15 prédios e mais de 15 mil membros no país.

COMPARTILHAR