Capítulo 5: DECISÃO DE EMPREENDER: RISCO OU PERIGO?

...Mais valem as lágrimas de não ter vencido, ao sentimento covarde de nunca ter lutado...

Tomar uma decisão é simples: é só decidir e pronto.

Duro é mantê-la. Quando a decisão é vestir esta ou aquela roupa, comprar este ou aquele sapato, está tudo bem.

Porém isso se torna complexo, quando a decisão passa a ser: qual curso fazer, qual carreira abraçar, namorar, noivar, casar, montar ou não um negócio próprio, qual negócio montar, enfim, o dia “D” chega e é preciso dizer sim ou não.

Por que as pessoas têm medo de tomar decisões? Decidir é uma habilidade humana que podemos desenvolver com treinamento. Durante a infância, foram introduzidas em nosso cérebro, linguisticamente, informações:

– Isto você não pode! Isto não é para você! Isto é complicado! Fique no seu lugar. Não diga isto! Cale a boca!

Você não sabe nada da vida! Já lhe falei, isto é complicado! Deixe de ser teimoso! Você não vai conseguir! Você não é capaz! Isso é perigoso! Cuidado, isso também é muito perigoso!

Foram tantos “nãos”, “complicado”, “perigoso”, “cuidado” que o nosso subconsciente acabou gravando estas palavras assassinas da criatividade e da auto-iniciativa.

Foram pessoas que, por amor e ânsia de nos ajudar, acabaram nos prejudicando de forma inconsciente. A ignorância em neurolinguística e psicologia infantil nos transformou em grandes indecisos e medrosos.

Hoje, temos tecnologia e tratamentos eficazes para desgravar e subsfituir esses comandos por: Você pode! Você é capaz! Você é corajoso! Vá em frente! Você vai conseguir! Você é o maior milagre do Universo!

Para tomar uma boa decisão, são necessárias três premissas básicas: ciência, consciência e segurança. nCiência é o conhecimento objefivo do fato ou ação, objeto da decisão. nConsciência é o conhecimento subjefivo, interno e externo, observando a relação de causa e efeito projetados no tempo e nas áreas de congruência com a decisão. nSegurança é a sensação de vantagem ou benefício que senfi-mos por tomar esta ou aquela decisão, naquele momento.

Na hora de tomar a decisão de montar nosso próprio negócio, nossa memória é, automaficamente, consultada para sabermos acerca de nossas habilidades, crenças, valores, grau de risco. E por falar em risco, o que é risco para a maior parte da população mundial?

Risco é sinônimo de perigo! Certo?! Não, errado! Risco é algo calculável, previsível, mensurável matemaficamente, é uma possibilidade de perigo. Perigo é uma circunstância que prenuncia ou antecede um mal para alguém. Ex.: dirigir um automóvel a 80 km/h, nas estradas brasileiras, é um risco. Mas dirigi-lo a 150 km/h é um perigo.

Imagine você, quando fui montar meu primeiro negócio, resolvi consultar alguns parentes e amigos. Sabe o que ouvi?

Olha… pensa bem… Você já pensou, se não der certo… Sei não, mas se fosse você, eu ficava onde está… Cuidado, isto é muito perigoso. Eu

– conheço um caso igualzinho ao seu, deu tudo errado e o Fulano de Tal perdeu tudo e se arrebentou todo.

Muitos seres humanos são fracassados. Vivem conformados, como podem e não como querem. Muitos têm seu subconsciente impregnado de gravações pessimistas e negativas desde a infância. Raramente você encontrará pessoas que lhe dirão:

15 FRASES “ASSASSINAS” DE EMPREENDEDORES

1 Nós já tentamos isto!

2 Nossa empresa é diferente!

3 Isto não é de nossa responsabilidade.

4 É uma mudança muito radical.

5 Nós nunca fizemos isto antes.

6 Por que mudar, se está funcionando?

7 Nós não estamos prontos para isto.

8 Não se pode ensinar truques novos para cachorro velho.

9 Todo mundo vai gozar a gente.

10 Onde é que você foi desenterrar isto?

11 Fomos muito bem sem isto até hoje.

Vá em frente! Você pode! Você é capaz! Você merece uma vida mais feliz! Acredite, só depende de você!

E por que a maioria dos seres humanos fracassa? Por medo!

Medo é um sentimento de grande inquietação ante a noção de um perigo real ou imaginário, de uma ameaça, susto, pavor, temor ou terror, segundo Aurélio Buarque de Holanda.

O medo é muito, muito mais forte, é “n” vezes mais forte que a coragem. Por isso, encontramos mais de 90% da população mundial recalcada pelo fracasso, carregando o medo estampado e incrustado em suas vidas. Veja a hierarquia e a descrição dos seis medos básicos que mais afetam o ser humano, segundo Napolean Hill, em seu livro Pense e Enriqueça:

 

1°) medo da pobreza;

2°) medo da crítica;

3°) medo de doenças;

4°) medo da perda do amor de alguém;

5°) medo da velhice; 6°) medo da morte.

“…O medo paralisa a razão, destrói a imaginação, mata a autoconfiança, desencoraja a iniciativa, leva à incerteza de objetivo, estimula a procrastinação, seca a motivação e torna impossível o autocontrole. Tira o encanto da personalidade, destrói a possibilidade de pensamento exato, desvia a concentração do esforço, vence a persistência, emascula a força de vontade, mata a ambição, turva a memória e, de todas as formas concebíveis, convida o fracasso a entrar: mata o amor e assassina as emoções mais delicadas do coração, desestimula a amizade e corteja o desastre em centenas de formas diferentes, provoca insônia, sofrimento e infelicidade…”

Para empreender é preciso deixar a criafividade fluir, navegar em águas nunca navegáveis; é preciso sonhar e senfirse lá, mesmo estando aqui. Quantas vezes você já ouviu alguma destas frases?

12 Quem é afoito come cru.

13 Você conhece alguém que tenha feito isto?

14 No nosso ramo não vai dar certo.

15 Fica frio, você é muito apressadinho! Em todas as grandes decisões, sempre surgem dois caminhos:

um largo, calmo, tranquilo, que não demanda sacrifício, nada exige, às vezes, basta ficar como estamos; e um outro, totalmente inverso, que exigirá mudanças, renúncias, coragem, garra, fibra, persistência, opinião própria, trabalho e, principalmente, disciplina. Infelizmente a maioria das pessoas prefere o caminho mais largo, mais calmo, com menos trabalho. É uma pena que, no final da vida, este caminho que parecia folgado se aperta e se estreita.

O que parecia mel, na verdade, era fel. Descobre-se, então, que o salário da aposentadoria mal dá para comprar os remédios para amenizar a dor da velhice. Os amigos desaparecem. As portas não querem mais se abrir porque as forças diminuem e não se consegue empurrá-las.

Nessa hora nos tornamos presidente do famoso “clube do se eu tivesse”.

Você está vendo aquela transportadora, com uma frota enorme de caminhões e carretas com filiais em vários Estados brasileiros… Pois é, quando, há trinta anos, o Sr. José estava pensando em começar, ele me convidou para entrar de sócio.

Na época, eu ganhava um bom salário, tinha uma função invejada por muitos. O investimento era até pequeno e eu poderia arrumar o dinheiro, mas eu fiquei com medo.

Não acreditei que o negócio iria decolar dessa forma.

Ah! Se eu tivesse…

Sabe aquela franquia com filiais, inclusive no exterior? Fui convidado e tive oportunidade de começar e poder ser um dos primeiros franquiados. Na época, se eu vendesse meu carro, poderia fazer o investimento. Preferi nem pensar na ideia. Hoje, se eu tivesse o dinheiro de dez carros, não conseguiria comprar uma franquia. Ah! Se eu tivesse…

Você está vendo aquela avenida movimentada, lotada de lojas, bancos e edifícios comerciais? Quarenta anos atrás, fui um dos que ficou rindo, na roda de boteco, dos idiotas que estavam comprando lote no brejo. Aquilo ali está bom para criar “sapos” e “pere-recas”. Mas eu não imaginava que esta avenida sanitária iria ser construída ali, muito menos que a cidade fosse crescer tanto para aquele lado.

É, mas agora é tarde. Ah! Se eu tivesse…

…Ah, se eu ouvisse o que mamãe dizia, hoje eu não sofria…

Um filho não se educa com menos de vinte anos. Um profissional só se forma após dezoito a vinte anos de estudos. Uma carreira profissional é construída ao longo de quinze a vinte anos de trabalho. Uma fazenda só se forma depois de vinte anos de muito trabalho, fé e dedicação. Uma empresa não pode ser diferente, não se constrói da noite para o dia. É preciso também quinze ou vinte anos para transformá-la numa verdadeira oportunidade empresarial.

Empreender é parar de reclamar, de resmungar. É criar, planejar e começar a fazer alguma coisa em prol do Universo, em prol da sociedade. Enfim, empreender é, sobretudo, ter a coragem de firar algo do papel e levar para a vida práfica, correndo riscos e assumindo responsabilidades, mas também colhendo os frutos e louros da vitória.

Aqueles que optaram pelo caminho estreito, apertado, cheio de incertezas, trabalho, sacrifício, estudo, falta de tempo, cansaço e medo começam a vê-lo alargar-se. A rofina do trabalho começa a ser quebrada pelo conforto de sua residência. A dor nos pés pode ser atenuada com uma boa hidromassagem naquela suite encantadora. O calor da tarde de volta para casa é amenizado pelo ar condicionado daquele carro luxuoso. O estresse da labuta pode ser suavizado por viagens nacionais e internacionais, visitando lugares pitorescos, históricos e fantásficos. Agora sim, você pode curfir um esfilo de vida reservado para as estrelas, rodeado de amigos e de sua família.

Vá em frente, o momento é agora! Você pode! Você é capaz de grandes realizações. Tenha certeza, o Universo reserva as melhores recompensas para os corajosos e ousados que sabem a hora de semear boas sementes. Mesmo dando trabalho, o fazem com amor e sabedoria.

O sol nasceu para todos e a sombra para os que trabalham.

 


Autor:

Professor Flávio de Almeida oferece, em especial, a todos os profissionais de áreas afins, satisfaz todas as condições estéticas exigíveis em um trabalho desta natureza, uma vez que nos leva a ter foco no mercado, sem perder a flexibilidade, ou seja, foco nas oportunidades e não nos problemas.


COMPARTILHAR