Carros antigos valorizaram até 135% acima da Selic, mostra FGV

Kombi Corujinha ano – REPRODUÇÃO/INTERNET
Veja também

RIO – Apaixonados por carros antigos têm, literalmente, um tesouro nas mãos. Estudo realizado pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP) mostra que esses veículos geram um retorno financeiro superior à taxa básica de juros Selic e aos títulos CDI ao longo dos anos. Dos 24 modelos analisados pela FGV, entre 2005-2006 e 2015-2016, a Kombi Corujinha foi a que mais valorizou: 135% acima da Selic nesse período de dez anos. Mesmo entre os cinco veículos que tiveram a menor valorização, em nenhum deles a taxa foi inferior à inflação.

– Diferentemente dos modelos modernos, que perdem valor com o tempo, como ocorre com os bens de consumo em geral, o modelo antigo dificilmente tem seu valor reduzido com o passar dos anos – diz Luis Henrique Rigato, professor e coordenador do curso Master in Business and Management (pós-graduação lato sensu em Administração) da FGV EAESP e um dos autores da pesquisa.

Os cinco modelos antigos que mais valorizaram foram a Kombi Corujinha anos 68 a 75 (135,1%), o Dodge Charger anos 73 a 75 (125,9%), o Dodge Dart 2 portas anos 70 a 73 (117,7%), o Camaro Coupê anos 67 a 69 (116%) e o Maverick GV V8 anos 73 a 76 (75,5%).

Os cinco que menos valorizaram foram o Mustang Hard Top anos 66 a 68 (-32,5%), a Mercedes SL anos 73 a 75 (-27,8%), a Rural Willys anos 68 a 70 (-13,1%), o Porsche Envemo Super 90 anos 80 a 82 (-5%) e o Camaro conversível anos 67 a 69 (2,4%).

O estudo da FGV EAESP indica ainda que os veículos que mais valorizaram não foram necessariamente os de preferência dos colecionadores.

– Esperava-se que os modelos mais desejados seriam os que mais se valorizavam, o que não ocorreu – comenta o outro autor do estudo, o professor Arthur Ridolfo Neto.

Os dados para o levantamento foram coletados por meio de questionários respondidos por 103 colecionadores e análise de 6 mil anúncios de classificados de vendas de modelos antigos – ou seja, que se enquadrassem nas especificações da Federação Brasileira de Veículos Antigos (FBVA): ter sido fabricado há mais de 30 anos, conservar as características originais de fabricação e ter o Certificado de Originalidade reconhecido pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). Para termos comparativos de rendimentos em aplicações o estudo usou os índices da caderneta de poupança, CDI, IGP-M e Selic durante a última década, segundo dados do Banco Central.

Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail.

TROCAR IMAGEM

Quase pronto…

Acesse sua caixa de e-mail e confirme sua inscrição para começar a receber nossa newsletter.

Ocorreu um erro.
Tente novamente mais tarde.
Email inválido. {{mensagemErro}}

OGlobo