Cidades continuarão a ser impactadas pelos  efeitos das mudanças climáticas 

Situações extremas podem surpreender os municípios brasileiros

As fortes chuvas que atingiram a grande São Paulo no início desta semana podem servir de exemplo do que outros municípios podem enfrentar. Os impactos das mudanças climáticas estão cada vez mais presentes na vida das cidades. “Os efeitos extremos estão ocorrendo tanto nas temperaturas como nas precipitações meteorológicas”, alerta o engenheiro Luiz Pladevall, presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES/SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental).

Entre domingo e segunda-feira, as tempestades na Região Metropolitana da capital paulista chegaram, em alguns pontos, a 140 milímetros de precipitação em 5 horas, quando o recorde anterior foi registrado na Estação Meteorológica da USP, em 6 de março de 1966, atingindo 145,9 milímetros em 24 horas. “O que aconteceu na segunda-feira foi extremo. Em situações como essa, nenhum dispositivo de prevenção aguentaria a chuva que ocorreu”, explica o engenheiro a respeito da necessidade de construções de equipamentos públicos como piscinões.

O dirigente lembra ainda das tempestades que atingiram a Carolina do Norte (EUA) setembro de 2018, que desalojaram aproximadamente 120 mil pessoas. Em 2013, no também estado norte-americano do Colorado, 12 mil pessoas tiveram que deixar suas casas atingidas pelas tempestades. “Esses fenômenos extremos podem até ser previstos com algumas horas de antecedência, mas os estragos são inevitáveis diante do volume de chuvas”, avalia Pladevall.

As cidades podem adotar medidas que ajudam a reduzir os impactos dessas tragédias. A construção de piscinões e de parques lineares, aumentando a permeabilidade do solo, pode ser uma solução de médio e longo prazo. Já a destinação correta do lixo deve ser adotada com maior urgência. “Ainda existe uma cultura de descarte irregular de lixo. Isso tem impactos diretos quando ocorrem chuvas como essa. Esse material contribui para o entupimento dos bueiros, ampliando os impactos das enchentes, sem falar do aumento dos riscos de contaminação”, aponta o presidente da Apecs. 

Histórico
A Apecs foi fundada em 1989 e congrega atualmente cerca de 40 das mais representativas empresas de serviços e consultoria em Saneamento Básico e Meio Ambiente com atuação dentro e fora do país.

Essas empresas reúnem parte significativa do patrimônio tecnológico nacional do setor de Saneamento Básico e Meio Ambiente, fundamental para o desenvolvimento social e econômico brasileiro, estando presente nos mais importantes empreendimentos do setor.

Informações para a imprensa:
Ex-Libris Comunicação Integrada – (11) 3266-6088
Edmir Nogueira – edmir@libris.com.br – (11) 98937-3503 / r. 234 
Marco Berringer – marcopaulo@libris.com.br – r. 223
Edgard Léda – edgard@libris.com.br – r. 222