Estudo mostra que em passo acelerado, aceitaremos  extremos climáticos como coisa natural

Calor recorde no inverno do Reino Unido

O Reino Unido teve na última 3ª feira o dia de inverno mais quente de sua história. Em Londres, foi registrada a temperatura de 21,2°C. O 2º dia de inverno mais quente da história da ilha foi a última 2ª feira, quando a temperatura em Londres chegou a 20,6°C. O Met Office disse que temperaturas acima de 20°C no inverno “são excepcionais”, e a BBC News comentou: “partes da Grã-Bretanha têm sido mais quentes do que destinos turísticos como Ibiza.”

Pouco a pouco, o aquecimento global está transformando o clima do planeta e, aparentemente, a população não percebe, talvez porque a mudança é insidiosa, o que faz com que as pessoas não se dêem conta de já a estarem vivendo. Um estudo publicado na Proceedings of the National Academy of Science mostra que nós aprendemos a aceitar o clima extremo como normal em bem pouco tempo, “coisa de dois anos“. O estudo analisou mais de dois bilhões de mensagens do Twitter em busca de compreender como as pessoas reagem a eventos climáticos extremos. Os pesquisadores descobriram que, quando os usuários do Twitter passam por condições climáticas extremas às quais não estão acostumados, as discutem fortemente. Mas “se os usuários vivem em locais que já experimentaram estes eventos nos últimos anos, “mesmo que o clima seja extremo em comparação com a linha de base, as pessoas tendem a não tuitar sobre o assunto (…) Isso pode levar as pessoas a subestimar a extensão do aquecimento global, uma vez que ele já causou mudanças extremas de temperatura”.