Pesquisas aplicadas ao agronegócio são discutidas na Nano TradeShow

A Embrapa Instrumentação participa da Nano TradeShow 2016 com a apresentação de painel ilustrativo de pesquisas desenvolvidas à base de nanotecnologia e com palestras dos pesquisadores José Manoel Marconcini e Daniel Souza Corrêa.

A feira, a primeira do Brasil voltada ao mercado de nanotecnologia, é realizada de 9 a 11 de novembro, das 10 às 19 horas, no Centro de Eventos Pro Magno, em São Paulo. O fórum pretende reunir fornecedores, institutos e parques tecnológicos, universidades, pesquisadores e a indústria de todo o mundo, a fim de impulsionar os negócios e incentivar o investimento em inovação no país.

Os dois pesquisadores abrem as discussões dos workshops setoriais de inovação no dia 10, cujo tema central enfoca a nanotecnologia no agronegócio e tem a curadoria da Embrapa. Os workshops e a Conferência Internacional de Nanotecnologia e Inovação, onde experts do mercado abordam temas inovadores sobre alta tecnologia, ocorrem paralelamente a Nano TradeShow.

 Marconcini vai discutir a aplicação de nanocompósitos na agricultura e pecuária, enquanto Corrêa apresentará a Rede de Pesquisa em Nanotecnologia aplicada ao Agronegócio, liderada pela Embrapa Instrumentação. De acordo com ele, também será abordado uma visão geral sobre as várias linhas de pesquisa desenvolvidas e resultados alcançados pela equipe de pesquisadores internos e externos, que fazem parte da rede AgroNano.

O chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia e coordenador da Rede AgroNano, Caue Ribeiro, acredita que a feira é uma excelente oportunidade para mostrar ao mercado as inovações que as instituições de pesquisas estão desenvolvendo com uso de recursos naturais e novos materiais.

Nano TradeShow

Em 2015, a feira recebeu 1.729 visitantes, mais 30 CEO/presidentes, 60 diretores, 70 gerentes, 40 coordenadores e 30 consultorias.

Segundo dados do relatório sobre a edição da Nano TradeShow do ano passado, o setor de atuação que mais se destacou, entre os oito participantes está o da indústria com 41,85%, seguido por serviço com 22,96%, e acadêmico com 14,44%. Institutos e centros de pesquisa responderam por 10,19% das participações.

Dentro do segmento indústria, a área de química se destacou com 13,15%, TI e eletrônicos com 7,22%, farmacêutica com 5,93%, cosmética com 4,81%.

O interesse por tecnologia/inovação em matéria-prima para aplicação em nanotecnologia foi demonstrado por 57,78%, enquanto 48,15% manifestaram interesse em materiais avançados, 38,89% por tecnologia para superfícies e 29,63% por equipamentos laboratoriais. O relatório ainda aponta que 26,30% são atraídos por soluções inovadoras para tratamento de água e efluentes.

A Embrapa Instrumentação participa da Nano TradeShow 2016 com a apresentação de painel ilustrativo de pesquisas desenvolvidas à base de nanotecnologia e com palestras dos pesquisadores José Manoel Marconcini e Daniel Souza Corrêa.

A feira, a primeira do Brasil voltada ao mercado de nanotecnologia, é realizada de 9 a 11 de novembro, das 10 às 19 horas, no Centro de Eventos Pro Magno, em São Paulo. O fórum pretende reunir fornecedores, institutos e parques tecnológicos, universidades, pesquisadores e a indústria de todo o mundo, a fim de impulsionar os negócios e incentivar o investimento em inovação no país.

Os dois pesquisadores abrem as discussões dos workshops setoriais de inovação no dia 10, cujo tema central enfoca a nanotecnologia no agronegócio e tem a curadoria da Embrapa. Os workshops e a Conferência Internacional de Nanotecnologia e Inovação, onde experts do mercado abordam temas inovadores sobre alta tecnologia, ocorrem paralelamente a Nano TradeShow.

 Marconcini vai discutir a aplicação de nanocompósitos na agricultura e pecuária, enquanto Corrêa apresentará a Rede de Pesquisa em Nanotecnologia aplicada ao Agronegócio, liderada pela Embrapa Instrumentação. De acordo com ele, também será abordado uma visão geral sobre as várias linhas de pesquisa desenvolvidas e resultados alcançados pela equipe de pesquisadores internos e externos, que fazem parte da rede AgroNano.

O chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia e coordenador da Rede AgroNano, Caue Ribeiro, acredita que a feira é uma excelente oportunidade para mostrar ao mercado as inovações que as instituições de pesquisas estão desenvolvendo com uso de recursos naturais e novos materiais.

Nano TradeShow

Em 2015, a feira recebeu 1.729 visitantes, mais 30 CEO/presidentes, 60 diretores, 70 gerentes, 40 coordenadores e 30 consultorias.

Segundo dados do relatório sobre a edição da Nano TradeShow do ano passado, o setor de atuação que mais se destacou, entre os oito participantes está o da indústria com 41,85%, seguido por serviço com 22,96%, e acadêmico com 14,44%. Institutos e centros de pesquisa responderam por 10,19% das participações.

Dentro do segmento indústria, a área de química se destacou com 13,15%, TI e eletrônicos com 7,22%, farmacêutica com 5,93%, cosmética com 4,81%.

O interesse por tecnologia/inovação em matéria-prima para aplicação em nanotecnologia foi demonstrado por 57,78%, enquanto 48,15% manifestaram interesse em materiais avançados, 38,89% por tecnologia para superfícies e 29,63% por equipamentos laboratoriais. O relatório ainda aponta que 26,30% são atraídos por soluções inovadoras para tratamento de água e efluentes.

Embrapa – Últimas notícias