Plataforma tecnológica do Instituto TIM traz benefícios para a população de Boa Vista

Lançada há quase um ano, a plataforma VcBV, instalação do software ZUP (Zeladoria Urbana Participativa) em Boa Vista, tem proporcionado diversos benefícios à população. Desenvolvido em uma ação conjunta da prefeitura e do Instituto TIM, o sistema para gestão de serviços e ativos urbanos é utilizado por secretarias municipais, permitindo um atendimento mais rápido e eficiente à população.

“O objetivo da plataforma é oferecer aos gestores uma ferramenta que possa tornar a gestão pública ainda mais eficiente. Além disso, envolver o cidadão nesse processo é fundamental. As novas tecnologias podem ser aliadas estratégicas para uma gestão mais participativa, transparente e democrática”, explica Manoel Horacio, presidente do Instituto TIM.

Uma das funções de ZUP em Boa Vista é registrar solicitações dos cidadãos feitas pelo telefone 156 e encaminhá-las para resolução. Segundo a prefeitura, até o momento foram registrados mais de 26 mil relatos da população, com um índice de resolução de 75%. “Através do 156, o cidadão faz o seu relato, os atendentes inserem os dados no sistema e as secretarias responsáveis realizam os serviços e atualizam os dados via aplicativo”, explica o Secretário Municipal de Inclusão Digital, Arthur Henrique Brandão Machado.

A rapidez em obter informações e a possibilidade de fazer o georreferenciamento das demandas informadas pelos cidadãos são alguns dos benefícios mencionados pelo secretário. “Os gestores podem tomar decisões a partir do que está sendo relatado no sistema”, diz.

ZUP também é utilizado no combate ao Aedes aegypti, mosquito vetor de doenças como dengue, febre amarela, chikungunya e zika vírus. Em dezembro de 2015, durante a campanha “Boa Vista contra o Zika Vírus”, agentes utilizaram o sistema para registrar onde havia focos do mosquito no bairro Bela Vista e o que estava sendo feito para eliminá-los, além de iniciar o cadastramento das casas da região. Por meio da ferramenta, os agentes de endemia podem utilizar a ferramenta para inserir dados que possibilitam avaliar os resultados das ações realizadas contra o mosquito, ou seja, quantos focos foram identificados e quantos foram eliminados. Com isso, em breve será possível o cadastramento de todas as casas da cidade onde há focos do mosquito, do criadouro, do processo de educação em saúde do morador e a eliminação do foco.

A medida, segundo a prefeitura, possui caráter estratégico. Será através da plataforma e seus aplicativos que a prefeitura poderá criar o Perfil Sanitário do Município de Boa Vista, iniciativa que irá permitir que a gestão possa atuar de forma técnica em regiões e épocas com maiores demandas.

Além disso, ZUP também permite a construção de inventários tanto para facilitar a manutenção de ativos públicos como para facilitar o gerenciamento de programas sociais. Neste sentido, a Secretaria de Gestão Social tem realizado o levantamento habitacional municipal, que já possui mais de 5 mil lares mapeados e mais de 5 mil famílias incluídas.

 

Arthur ainda destaca a facilidade de adaptar a plataforma de acordo com as necessidades dos órgãos municipais. Isso está sendo feito no momento para que o aplicativo de fiscalização possa ser usado nas áreas de meio ambiente e finanças. “Conseguimos adaptar ZUP para monitorar qualquer tipo de situação”, conta o secretário.

Atualmente a prefeitura planeja lançar o app ZUP Cidadão, que ampliará a participação dos munícipes na gestão pública. Além de contar com o atendimento telefônico, os cidadãos poderão usar seu celular, tablet ou computador para monitorar e solicitar serviços como, por exemplo, conserto de lâmpadas na iluminação pública, e ainda acompanhar o andamento de cada chamado.

Sobre o Instituto TIM

Fundado em 2013, o Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Possui quatro pilares que definem sua atuação: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas livres; Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres. Os projetos do Instituto TIM já envolveram cerca de 700 mil  pessoas em todo o país.

COMPARTILHAR