Um tomatinho turbinado com muito licopeno

De acordo com o pesquisador Leonardo Boiteux, da Embrapa Hortaliças, o licopeno seria o mais poderoso dos antioxidantes naturais – isso significa que ele anula a ação de radicais livres, moléculas por trás do envelhecimento precoce e até do câncer. Só que há fortes indícios de que sua ação depende da dosa diária de ingestão. Logo, quanto mais, melhor. Foi daí que surgiu a ideia de desenvolver um tomate grape, aquele pequenino, com um teor elevado do nutriente.

E deu certo, viu?! “Conseguimos quase quadruplicar o valor encontrado nas variedades tradicionais”, comemora Boiteux. O novo tomatinho, batizado de BRS Zamir, exibe outro atrativo: o sabor. “Ele tem uma doçura acentuada, mas não chega a ser enjoativo”, analisa o pesquisador. Boiteux garante que apenas dez frutos já proporcionam a dose mínima indicada de licopeno para o corpo.

Essa versão do tomate foi criada a partir do cruzamento natural de versões com bastante licopeno. Não se trata, portanto, de um alimento transgênico. E um recado: apesar de parecidos, os tomates grape e cereja são tipos distintos do fruto.

Compare o teor do nutriente nos dois tipos de tomate grape

Convencional: possui de 40 a 90 microgramas de licopeno por grama do alimento.

BRS Zamir: chega a concentrar até 144 microgramas de licopeno por grama do fruto.

Produção caprichada

Não é só o consumidor que sairá ganhando com o surgimento do BRS Zamir. O produtor também encontra vantagens ao apostar nele.

De acordo com Boiteux, enquanto uma penca do grape normal dá cerca de 12 a 14 tomatinhos, a da nova variedade gera 75 frutos. “Trata-se de uma ótima opção para a agricultura familiar”, comenta. Para completar, dura 18 dias numa boa.

Por: saude.abril.com.br