Acordo global da Unesco busca garantir uso benéfico da Inteligência Artificial

No dia 25 de novembro do ano passado, 193 países membros da Unesco adotaram o primeiro acordo global sobre a ética da Inteligência Artificial, que busca estabelecer uma base para um controle global padronizado dessa tecnologia.

Presente em diversos aparelhos, programas e sites, a Inteligência aArtificial é uma ferramenta poderosa, usada para o desenvolvimento científico e para o aprimoramento de tecnologias. No entanto, seu uso também levanta preocupações relevantes sobre o direito dos usuários sobre seus dados e outros problemas éticos.

Professor Juliano Maranhão – Foto: IEA USP

Segundo Juliano Maranhão, professor associado da Faculdade de Direito da USP e diretor do Instituto Lawgorithm, o acordo da Unesco é formado por um conjunto de princípios éticos que buscam garantir que a Inteligência Artificial seja utilizada para fins benéficos. Para isso, o texto do acordo apresenta uma série de tópicos fundamentados nos direitos humanos.

Um desses tópicos é o combate à discriminação algorítmica, isto é, o preconceito que “transborda” dos criadores da Inteligência Artificial para a ferramenta, causando distorções em seu funcionamento. Outro ponto importante é a cobrança de que os desenvolvedores prestem contas aos usuários sobre o funcionamento das tecnologias e sobre como elas coletam e processam seus dados.

O acordo fala ainda sobre a necessidade de revisão humana, quando a Inteligência Artificial participa de “decisões que afetem significativamente o acesso a bens e a direitos  humanos”, conta Maranhão.

Há, também, a demanda de que os sistemas de Inteligência Artificial sejam desenvolvidos por pessoas que têm as habilidades e as competências adequadas para a sua produção. O acordo da Unesco é resultado de longos estudos, que vêm sendo conduzidos em escala global.

“Na verdade, a Unesco já tinha um conjunto de recomendações sobre princípios aplicáveis à Inteligência Artificial para desenvolvimento de uma Inteligência Artificial confiável. Esse conjunto de princípios éticos passou, no último ano, por uma revisão ampla, inclusive por uma discussão em diferentes países em que as recomendações anteriores foram testadas diante de oito casos práticos e debatidas com representantes da sociedade civil de diferentes países”, conta Maranhão.

O professor, que coordenou uma parte da pesquisa no Brasil, conta sobre o processo: “Nós formamos grupos de discussão desses casos e analisávamos se as recomendações anteriores eram relevantes para resolver aqueles casos e se eram suficientes e aplicáveis, especificamente para uma discussão concreta dos problemas que apareciam nos conflitos envolvendo Inteligência Artificial. Esses conjuntos de discussões então levaram a reports, que foram encaminhados a um grupo de trabalho na Unesco, que então desenvolveu essa nova formulação que foi objeto desse acordo, divulgado em novembro”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui