A Conferência do Clima de Glasgow (COP26), realizada em Glasgow, na Escócia, e encerrada em novembro de 2021, resultou em uma série de compromissos e diretrizes para que cada país participante seja agente ativo na mitigação dos problemas ambientais e climáticos.

Do ponto de vista político, a COP 26 resolveu a última pendência do Acordo de Paris, com a regulamentação do Artigo 6, que trata sobre o uso de instrumentos de mercado para facilitar ações de mitigação. O encontro também estabeleceu o compromisso dos países ricos de financiarem projetos dessa natureza para as nações em desenvolvimento. A meta é de dobrar o financiamento coletivo em 2025 com relação aos montantes de 2019. Até 2022, os países deverão apresentar seus planejamentos climáticos com o objetivo de 1,5°C como limite do aquecimento neste século.

Nesse cenário, fica claro que é preciso compreender quais ações serão tomadas para atingir as metas acordadas, como a redução do desmatamento e das emissões de gases causadores do efeito estufa, e que essas mudanças no comportamento nocivo ao meio ambiente se estendem para toda a sociedade além dos governos: empresas, associações e cidadãos de forma geral.

Em um dos compromissos, por exemplo, países anunciaram acordo para reduzir emissões de metano em 30% até 2030, estando o Brasil incluso. Em outra dessas determinações, o acordo é para que os países busquem reduzir a dependência da queima de carvão em usinas termelétricas e dos subsídios aos combustíveis fósseis. Investimentos em tecnologias que tragam o benefício social e ambiental e, ainda, contemplem vantagens econômicas – o tripé da sustentabilidade – são esperados daqui em diante.

Nesse sentido, hoje, a Biomovement Ambiental, que atua sob os pilares da inovação e do desenvolvimento sustentável, percebe que sua atividade pode ser complementar para aqueles que adotam a atuação responsável como filosofia, sejam estados, municípios, comunidades inteiras, empresas, escolas e universidades ou o próprio cidadão.

A empresa é representante exclusiva para o Brasil da Homebiogas, empresa israelense com tecnologia inovadora e sustentável, com patente global e registrada no Brasil. Essa tecnologia está hoje presente em mais de 100 países e em todos os estados brasileiros e é capaz de gerar energia limpa e renovável (biogás para cozinhar) a partir de resíduos orgânicos alimentares e esterco animal. Esses resíduos passam por um processo de biodigestão, no qual as bactérias anaeróbicas presentes no biodigestor os transformam em biogás, que o sistema canaliza para o uso na cozinha, e gera também como subproduto um biofertilizante líquido natural e rico em matéria orgânica, que fortalece o solo melhorando a sua capacidade de nutrir as plantas.

Os biodigestores da Homebiogas resolvem a questão do descarte de orgânicos que agravam o problema de superlotação dos aterros sanitários e evitam a contaminação do meio ambiente, minimizando as emissões de gases de efeito estufa, evitando o transporte e maximizando o tratamento desses resíduos.  

Trata-se de um sistema autônomo, sem necessidade de qualquer energia adicional, de fácil transporte, instalação e uso, instalado acima do solo, terreno plano, e sem a necessidade de obras civis. Ou seja, uma solução imediata para ambientes onde ainda se cozinha com lenha e/ou carvão vegetal e onde não há serviço de coleta de resíduos.  

Além disso, e reforçando a questão do saneamento básico, o biodigestor pode ser acoplado a um vaso sanitário adaptado (Bio Toilet), que a Biomovement Ambiental também representa com exclusividade para o Brasil. Esse sistema, que também independe de grandes obras, é totalmente desconectado das redes de esgoto e não necessita de água pressurizada. Os dejetos humanos são encaminhados para o biodigestor por meio de descargas com bombeamento manual de apenas 1,2 litros, promovendo a economia de água e funcionando até com água de chuva. O resultado é levar dignidade, saúde, segurança e qualidade de vida para quem não tem ainda hoje um banheiro – uma realidade de muitas pessoas e comunidades que vivem nas mais diversas regiões do Brasil.

A Biomovement Ambiental acredita na diferença das questões sustentáveis e o faz fugindo do modismo e do chamado greenwashing, buscando alternativas inovadoras e consistentes. Para se ter uma ideia, o Homebiogas é certificado pelas ISOs 14000, 9001 e 23590 específica para biodigestores, seus equipamentos passam por todos os  testes obrigatórios de segurança e seguro de responsabilidade internacional, além de realizar projetos em parceria coma USAID, EU, ONU, Centro Perez para a paz e Cruz Vermelha Internacional. Além disso, atende 13 metas dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da ONU.

Apoiar as diretrizes apontadas na COP 26 e dar a nossa contribuição para as companhias que investem em ESG, associações, entidades, escolas e cidadãos de forma geral é parte de nossa missão de unir a inovação e as novas tecnologias ao desenvolvimento sustentável.