Iniciativa Amazônia +10 lança primeira chamada

FAPESP e outras 19 fundações de amparo à pesquisa aportarão R$ 50 milhões em cooperações em ciência com vistas ao desenvolvimento sustentável amazônico

A Iniciativa Amazônia +10 lança hoje (24/06) sua primeira chamada de propostas, que apoiará projetos de pesquisa colaborativa voltados à conservação da biodiversidade e adaptação às mudanças climáticas, à proteção de populações e comunidades tradicionais, aos desafios urbanos e à bioeconomia como política de desenvolvimento econômico na Amazônia.

Inicialmente composto pela FAPESP e os nove estados da região amazônica, a Iniciativa Amazônia +10, por ocasião deste primeiro edital, envolve agora a participação de vinte fundações de amparo à pesquisa estaduais (FAPs): São Paulo, Amazonas, Rio de Janeiro, Pará, Paraná, Maranhão, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Amapá, Distrito Federal, Alagoas, Goiás, Paraíba, Pernambuco, Rondônia, Espírito Santo, Piauí, Santa Catarina, Acre e Tocantins.

Criada pela FAPESP em novembro de 2021 – mês em que a Fundação emitiu comunicado anunciando a missão e o caráter multilateral da empreitada – a Iniciativa Amazônia +10 é um programa de desenvolvimento de ciência, tecnologia e inovação (C,T&I) para a Amazônia Legal que envolve parceria com os conselhos nacionais de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I (Consecti) e das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap).

A iniciativa mantém-se aberta para que outras FAPs e também demais instituições interessadas participem desta chamada, bastando que manifestem seu interesse junto ao Confap até 15 de julho.

Na chamada, serão recebidas propostas que apresentem pesquisa científica com foco na resolução de problemas considerados imprescindíveis para o avanço do desenvolvimento sustentável na região. Os problemas estarão organizados de acordo com três eixos prioritários:

I. Territórios como infraestrutura e logística que facilitam o desenvolvimento sustentável em dimensão multi escalar

II. Povos da Amazônia como protagonistas do conhecimento e da valorização da biodiversidade e adaptação às mudanças climáticas

III. Fortalecimento de cadeias produtivas sustentáveis pelos amazônidas

As propostas devem ter a participação de pesquisadores responsáveis de pelo menos três estados das FAPs que aderiram à chamada, sendo que um deles deve ser obrigatoriamente vinculado a instituições de ensino superior ou pesquisa situadas nos estados da região amazônica. Cada proposta deve ser constituída por um único projeto de pesquisa preparado conjuntamente pelos proponentes.

O prazo para envio das propostas é 10 de agosto. Submissões devem ser feitas às FAPs dos respectivos estados que estão participando do projeto, sempre pelo pesquisador responsável em cada estado.

Os pesquisadores responsáveis de cada projeto receberão financiamento da FAP que corresponda a seu estado de origem. Os aportes de cada fundação não devem ser obrigatoriamente iguais, e sim devem refletir as necessidades e os objetivos da pesquisa sob responsabilidade da equipe local. Os projetos podem ser apoiados por no mínimo R$ 300 mil (100 mil de cada FAP), e suas pesquisas podem se estender por no máximo 36 meses.

A seleção será feita por um painel de especialistas com base no enquadramento das propostas a critérios considerados relevantes na Iniciativa como co-construção, inter e transdisciplinaridade, inovação, impactos e sustentabilidade, recursos humanos de CT&I, comunicação e equilíbrio de projetos entre os eixos prioritários.

O orçamento total da chamada totaliza mais de R$ 50 milhões, dos quais R$ 30 milhões foram alocados pela FAPESP. Os proponentes deverão observar as diretrizes das diferentes signatárias envolvidas quanto a critérios de elegibilidade, o escopo de itens financiáveis referente à modalidade de apoio válido para a chamada, e o total de recursos disponibilizados para apoio a projetos.

A chamada está disponível em fapesp.br/15531.