Os lugares mais bonitos do mundo

Apesar de males como poluição, mudanças climáticas, desastres ecológicos e a destruição de muitos lugares selvagens, a Terra é um lugar lindo. De cachoeiras e ilhas a florestas e montanhas, nosso planeta possui uma miríade de maravilhas naturais que podem surpreender até o observador mais cansado.
Mas também possui maravilhas igualmente deslumbrantes feitas pelo homem, como cidades pitorescas e arquitetura única.
Nossa lista dos 10 lugares mais bonitos do mundo é subjetiva, mas achamos que é eclética o suficiente para capturar a beleza diversificada de nosso planeta. Se você apontasse uma câmera para qualquer um dos locais listados aqui, obteria uma imagem de tirar o fôlego.
1. MILFORD SOUND, NOVA ZELÂNDIA
A Ilha do Sul da Nova Zelândia possui um dos fiordes mais pitorescos do mundo. Conhecido como Milford Sound, ele está localizado ao longo da costa sudoeste da ilha, cerca de 60 milhas (96 quilômetros) a noroeste de Queenstown, que é um centro turístico famoso por suas atividades de esqui e ao ar livre. Milford Sound é a joia da coroa do Parque Nacional Fiordland da Nova Zelândia, que é o maior dos 14 parques nacionais da nação insular, de acordo com o Departamento de Conservação da Nova Zelândia.
Começando em uma pequena vila, também chamada de Milford Sound, o fiorde ziguezagueia por um ambiente verde exuberante por quase 16 km antes de desaguar no Mar da Tasmânia, situado entre a Austrália e a Nova Zelândia. Protegido por penhascos escarpados e altos picos de montanhas, vários dos quais se elevam a alturas de 3.940 pés (1.200 metros), Milford Sound é um ecossistema único. É um dos lugares mais úmidos da Terra, recebendo uma precipitação média anual estimada de 22 pés (7 m). Musgos, líquenes e samambaias prosperam no ambiente úmido e crescem em abundância. A faia (Nothofagus sp.), Uma árvore icônica do hemisfério sul, é onipresente, mas igualmente abundantes são outras árvores, como o podocarpo (Podocarpus sp.), Ou conífera nativa, e a kahikatea (Dacrycarpus dacrydioides) ou pinheiro branco , que pode atingir alturas de 196 pés (60 m). As samambaias, no entanto, estão entre as plantas mais comuns de Milford Sound. Várias espécies de samambaias vivem no ambiente, incluindo a samambaia prateada (Alsophila dealbata), outra das plantas mais icônicas da Nova Zelândia. Como é o caso com todos os fiordes, Milford Sound foi formado como resultado da atividade glacial que ocorreu ao longo de vários milhões de anos. À medida que as geleiras se fundiram, descendo da cordilheira dos Alpes do Sul da Ilha do Sul, elas fizeram cortes profundos na paisagem ao redor. Durante os períodos mais quentes, as geleiras recuaram, dando ao fiorde sua geografia e configuração únicas.
2. SANTORINI, GRECIA
As casas caiadas de branco com topo azul da aldeia grega de Fira são típicas das muitas aldeias pitorescas da Grécia moderna. Mas essas casas em particular, junto com as da cidade irmã de Fira, Oia, estão impossivelmente empoleiradas no cume de uma caldeira e oferecem uma vista panorâmica ousada do Mar Egeu ao redor.A caldeira é o remanescente da antiga ilha de Thera, agora chamada de Santorini. Situada no sul do Mar Egeu e formando o grupo de ilhas mais ao sul das Cíclades, Santorini é uma ilha vulcânica localizada a 200 km a sudeste do continente grego. É famosa por sua paisagem acidentada, penhascos altos exibindo camadas geológicas distintas e coloridas, praias vulcânicas, pores do sol românticos e vista de 360 graus do azul profundo do Mar Egeu.Santorini também é famosa pela erupção vulcânica catastrófica que ocorreu há 3.600 anos, durante o auge da civilização minoica, de acordo com a World History Enciclopédia. A erupção destruiu grande parte da ilha, lançando uma nuvem enorme de cinzas e detritos no ar, criando uma caldeira cheia de água e dividindo a ilha em várias ilhas separadas. A erupção também destruiu a antiga vila de Akrotiri, o assentamento minóico mais famoso fora de Creta. Escavado pela primeira vez em 1967, é agora um sítio arqueológico bem conhecido, parte dele parcialmente reconstruído, mas grande parte, como Pompéia, ainda preservada sob uma espessa camada de cinzas. O local é famoso por seus afrescos bem estudados, ou pinturas de parede, que retratam pescadores, barcos, golfinhos e senhoras minoicas bem cuidadas de alto escalão. Santorini é um importante destino turístico e o sítio arqueológico de Akrotiri é um Patrimônio Mundial da UNESCO.
3. ILHA DO SKYE, ESCÓCIA
A Ilha de Skye tem uma longa história de aparições em canções, histórias, romances e poesia. O romancista e poeta Walter Scott usou o local pitoresco como cenário para seu poema épico “O Senhor das Ilhas” e a balada romântica de Sir Harold Boulton “The Skye Boat Song” conta a história da fuga de Bonnie Prince Charlie do continente escocês para Skye após sua derrota na Batalha de Culloden em 1746. Não está claro de onde vem o nome Skye, mas algumas fontes, como o Gazetteer of Scotland, afirmam que vem da antiga palavra nórdica “céu-a”, que significa “ilha das nuvens , “provavelmente em referência à névoa que muitas vezes envolve a ilha. Skye é a maior e mais setentrional das Hébridas Internas da Escócia, um grupo de ilhas localizadas na costa oeste do país. A ilha tem cerca de 50 milhas (80 km) de largura de leste a oeste e é composta por uma mistura de pântanos, lagos azuis, litoral varrido pelo vento, campos de urze, castelos medievais austeros e montanhas escarpadas. Seu clima é úmido, ventoso, fresco e freqüentemente nublado. Mas quando o sol nasce, a ilha brilha com arco-íris, lagos cintilantes e algumas das mais belas vistas costeiras das Ilhas Britânicas. “Em um país famoso por suas paisagens deslumbrantes, a Ilha de Skye leva o prêmio máximo”, de acordo com o guia de viagens Lonely Planet. Ao norte de Portree, a principal cidade da ilha, está um aglomerado de rochas semelhantes a um pináculo conhecido como o Velho de Storr. Mais ao norte está Kilt Rock, um penhasco costeiro íngreme de rocha sedimentar e ígnea que atrai um fluxo constante de turistas, muitos vindo para ver Mealt Falls, uma cascata que cai de 164 pés (50 m) direto para a água. Perto do topo da lista de atrações de cair o queixo, no entanto, está a Caverna Spar, uma gruta marinha semelhante a uma catedral cheia de formações de carbonato de cálcio. Foi uma grande atração turística durante a época vitoriana e continua a atrair caminhantes aventureiros. Tudo isso pode ser visto no site turístico oficial da Ilha de Skye.
4. HUASHAN, CHINA
“Shan” significa “montanha” em mandarim e hua significa “esplêndido” ou “magnífico”. Huashan, uma alta montanha localizada perto da cidade de Huayin, na província chinesa de Shaanxi, a cerca de 120 km a leste de Xi’an, faz jus ao seu apelido.
Consiste em cinco picos separados, o mais alto dos quais, South Peak, atinge 7.070 pés (2.155 m). A montanha é composta principalmente de granito da era Mesozóica para cima como resultado de falhas geológicas ao longo de milhões de anos, de acordo com a UNESCO. Isso criou as faces de rocha íngreme que caracterizam a montanha e mergulham precipitadamente no vale abaixo. A flora circundante é rica e variada. Musgos, líquenes e arbustos caracterizam o sub-bosque, enquanto várias espécies de pinheiros agarram-se precariamente a encostas íngremes e falésias escarpadas.
Os taoístas, que são praticantes da antiga religião chinesa do taoísmo, cultivam Huashan há séculos e é considerada uma das montanhas mais sagradas da China. Vários templos taoístas pontilham as encostas e picos da montanha. O primeiro templo, o Santuário do Pico Ocidental, data do século II a.C. A montanha também é um importante destino turístico. Muitas pessoas de todo o mundo se aventuram a escalar o South Peak, uma subida ao topo da montanha que alguns apelidaram de “caminhada mais perigosa do mundo”. A subida inicial é bastante fácil; começa relativamente plano, mas gradualmente passa a degraus de pedra, que então dão lugar a uma prancha de madeira que abraça a encosta da montanha com uma série de correntes para segurar as mãos. A trilha perigosa tem apenas 0,3m de largura e é conhecida como “caminhada de prancha no céu”.
5. PRAGA, REPÚBLICA CHECA
A capital da República Tcheca, Praga é conhecida como a “Cidade dos Cem Pináculos”, um nome que faz referência a seus famosos castelos, catedrais, arquitetura gótica e barroca e praças e pontes medievais. É o lar de 1,3 milhão de pessoas. A área ao redor de Praga é uma região conhecida como Bohemia, que foi colonizada por muitos milênios, primeiro pelos povos do Paleolítico e muito mais tarde pelos Celtas. Mas Praga não adquiriu os rudimentos de uma cidade até o século IX d.C., de acordo com a Enciclopédia Britânica. Durante o período medieval, a cidade cresceu em tamanho, extensão e notoriedade, tornando-se uma grande cidade de influência política e cultural no século XIV. Em 1348, o Sacro Imperador Romano Carlos IV fundou a Universidade Carlos em Praga, o primeiro centro de aprendizagem na Europa Central. E durante a última Idade Média e na Renascença, Praga desempenhou um papel importante durante a Reforma, um período de intensa fermentação religiosa que deu origem ao protestantismo. Sob a influência de críticos da Igreja Católica como Jan Hus, Praga tornou-se um foco de oposição ao Catolicismo Romano.O Rio Moldava corre de norte a sul enquanto serpenteia pela cidade, passando por marcos famosos como o Relógio Astronômico de Praga, o Museu de Vysehrad e a famosa Ponte Carlos, uma ponte medieval de pedra que liga a Cidade Velha e a Nova de Praga e é famosa pelo seu Barroco estatuária de santos proeminentes.
Talvez o mais pitoresco dos edifícios de Praga, no entanto, seja o Castelo de Praga, que fica no topo de uma colina e domina o horizonte da cidade. Foi construído no século IX e foi expandido ao longo dos séculos subsequentes. Hoje, é a residência oficial do presidente da República Tcheca. Em 1992, o centro histórico da cidade de Praga foi adicionado à Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO.
6. JÖKULSÁRLÓN, ISLÂNDIA
A primeira coisa que você nota sobre a maior lagoa glacial da Islândia é o azul deslumbrante da água. Tem uma qualidade cristalina que é hipnotizante e sobrenatural. Icebergs brancos brilhantes, quebrados da geleira próxima, flutuam, parecendo nuvens flutuando no céu. Jökulsárlón, traduzido como “lagoa do rio glacial”, é o lago mais profundo da Islândia, mergulhando 813 pés (248 m) abaixo da superfície, de acordo com o Observatório da Terra, um site afiliado da NASA. Ele cobre uma área de 7 milhas quadradas (18 km quadrados) e faz fronteira com a costa, portanto, na maré alta, a água do Oceano Atlântico se derrama na lagoa. Jökulsárlón faz parte do Parque Nacional Vatnajökull, localizado perto da cidade de Hofn, no sudeste do país. O nome do parque deriva da geleira Vatnajökull, a maior calota de gelo da Islândia e a segunda maior calota de gelo da Europa, depois da calota de gelo da Ilha Severny em Novaya Zemlya, na Rússia.
Jökulsárlón se formou bem recentemente, entre 1934 e 1935, quando o degelo da geleira Vatnajökull precipitou-se para a lagoa, formando um lago. Tem se expandido desde então. Hoje, a expansão de Jökulsárlón está se acelerando como resultado das mudanças climáticas. A lagoa é uma grande atração turística, atraindo visitantes de toda a Europa, Ásia e Estados Unidos. Eles vêm para ver os icebergs, a vida selvagem e as vistas incríveis, especialmente a geleira Vatnajökull, que se eleva a 3.000 pés (910 m) e oferece um cenário dramático para a impressionante lagoa azul. Uma infinidade de aves marinhas – incluindo andorinhas-do-mar, skuas, gaivotas e papagaios-do-mar – chamam a área de lar, e as focas são visitantes frequentes da lagoa.Jökulsárlón e a área circundante tornaram-se parte do Parque Nacional Vatnajökull em 2008. O parque é atualmente um Patrimônio Mundial da UNESCO.
7. GREAT OCEAN ROAD, AUSTRALIA
Ladeada ao sul pelo tempestuoso Oceano Antártico, a Great Ocean Road é a rodovia mais pitoresca da Austrália. Ele passa por algumas das vistas e marcos naturais mais incríveis do país e está na lista do Patrimônio Nacional da Austrália, uma lista de lugares considerados de grande importância histórica, natural e cultural para a Austrália. A Great Ocean Road corre ao longo da costa sudeste, de Torquay no leste até Allansford no oeste. Cobre uma extensão de 151 milhas (243 km) e paralela à extremidade sul do continente na maior parte do caminho, embora ocasionalmente se desvie para cortar o interior e ziguezaguear em torno de um relevo ou formação natural. Todo o percurso leva cerca de 9,5 horas e os turistas costumam passar três dias fazendo o trajeto. A estrada serpenteia pela paisagem costeira na maior parte de sua extensão, percorrendo o topo de falésias, contornando praias e enseadas, passando por florestas tropicais e cachoeiras. Os destaques incluem o dossel da floresta tropical Otway, que leva os visitantes para o alto, através do dossel de uma floresta de faia (Nothofagus cunninghamii), e a Gruta, um trecho de costa de calcário que foi corroído em formas e formações fantásticas. Talvez a atração mais espetacular, no entanto, seja uma série de pilhas de calcário do mar chamadas de Doze Apóstolos. Essas formações rochosas faziam parte do continente há 20 milhões de anos, mas sofreram erosão ao longo do tempo e agora formam pináculos próximos à costa.
A ideia de criar a Great Ocean Road surgiu do desejo de homenagear os soldados australianos que morreram durante a Primeira Guerra Mundial, de acordo com o SBS News, um site de notícias australiano. A construção da estrada começou em 1918, depois que uma equipe de pesquisa traçou a rota no ano anterior. Muitos membros da equipe de construção eram militares que haviam retornado da guerra e precisavam de empregos. A estrada foi construída aos poucos e concluída em 1932.
8. SEYCHELLES
Em 1881, o famoso general britânico Charles “Chinese” Gordon pensou ter tropeçado no Jardim do Éden bíblico – literalmente. Ele alegou que estava em uma ilha no meio do Oceano Índico, agora conhecida como Praslin na República das Seychelles.
Seychelles é um arquipélago de 115 ilhas a cerca de 1.600 quilômetros da costa leste da África. As ilhas são o epítome do cartão-postal perfeito: palmeiras imponentes balançam sobre praias de areia branca e águas azul-turquesa brilhantes. A maioria das ilhas é de granito, de acordo com a One Earth Philanthropy, um grupo ambiental sem fins lucrativos, embora várias ilhas também sejam atóis de coral. O grupo de ilhas Aldabra inclui a Ilha Aldabra, que é o segundo maior atol de coral elevado do mundo e um Patrimônio Mundial da UNESCO. É o lar da tartaruga gigante endêmica Aldabra (Aldabrachelys gigantea), que, como a tartaruga gigante de Galápagos, é um exemplo de gigantismo de ilha, um processo evolutivo pelo qual certos animais que vivem em ilhas crescem até tamanhos muito grandes. Seychelles é um importante destino turístico com inúmeras reservas naturais e parques marinhos.
9. ILHAS ALEUTIANAS
Uma cadeia de ilhas frias e varridas pelo vento no norte do Oceano Pacífico dificilmente é o primeiro local que vem à mente ao contemplar os lugares mais bonitos do mundo. Mas as Ilhas Aleutas, localizadas entre 51 ° e 55 ° N de latitude, são um lugar especial que desafia todas as expectativas e suposições. Embora assoladas por ventos fortes, neblina espessa e chuvas fortes, as ilhas têm um encanto místico. Um paraíso para as aves marinhas e a vida marinha, as ilhas são um país das maravilhas de vulcões acidentados e picos nevados cercados por uma vasta extensão de oceano azul profundo.
As Aleutas formam a extensão norte do Anel de Fogo do Pacífico, estendendo-se em um arco a oeste da Península do Alasca por 1.200 milhas (1.900 km) até a Península Russa de Kamchatka. As Aleutas consistem em mais de 70 ilhas, incluindo 14 grandes ilhas vulcânicas, 55 ilhas menores e várias ilhotas. Eles estão localizados onde a placa do Pacífico afunda abaixo da placa da América do Norte, criando uma zona de subducção ativa. Aqui, a lava derretida borbulha para a superfície e várias das ilhas contêm vulcões ativos. Um grupo de cientistas propôs recentemente que as Ilhas Aleutas são as aberturas interconectadas de uma caldeira subaquática muito mais massiva, informou a Live Science anteriormente. Unalaska é a ilha mais conhecida da cadeia e a única com população permanente. A Ilha Attu, a mais ocidental das Ilhas Aleutas, é um destino privilegiado para observadores de pássaros, contendo incontáveis aves marinhas residentes e migrantes e vários locais de nidificação e colônias. A Ilha Attu também é famosa por seu papel na Segunda Guerra Mundial: em maio de 1943, as forças americanas e japonesas se enfrentaram em uma batalha sangrenta de um mês que culminou na vitória dos Aliados e na retirada das forças japonesas da cadeia de ilhas.

10. MACHU PICCHU
Machu Picchu é uma cidade antiga situada no alto das montanhas, cercada por nuvens diáfanas. A extrema altitude e o pano de fundo circundante das encostas cobertas de vegetação dos contrafortes dos Andes conferem ao ar uma qualidade etérea.
Machu Picchu está localizado na Cordilheira dos Andes, no sul do Peru, nas alturas escarpadas acima do Vale do Urubamba, também chamado de Vale Sagrado. Os arqueólogos acham que Machu Picchu foi construído em meados de 1400 sob a direção de Pachacuti Inca Yupanqui, o nono governante do Inca.
A cidade foi construída como uma cidadela para a realeza inca e foi ocupada por quase um século até ser abandonada na época da conquista espanhola no século XVI.
Ele contém vários palácios, residências e templos de pedra, incluindo o Templo do Sol e o Templo das Três Janelas, e é cercado por paredes de pedra habilmente feitas. A cidade moderna mais próxima, Cuzco, fica a 80 km ao sudeste. Após seu abandono, a cidadela caiu em desuso e, à medida que a vegetação densa se fechava ao redor do local ao longo dos séculos, foi recuperada pela selva. Embora fosse bem conhecido da população local, o explorador americano Hiram Bingham o trouxe à atenção internacional em 1911, de acordo com a Enciclopédia Britânica.
Hoje, Machu Picchu não é apenas um dos sítios arqueológicos mais importantes da América do Sul, mas também um importante destino turístico e um Patrimônio Mundial da UNESCO.