Trem, carro, ou bicicleta?

Biciclotrem une elementos dos três para tornar transporte mais limpo e acessível; iniciativa foi implantada na antiga Estrada de Ferro Leopoldina, em Cataguases (MG)

Um veículo curioso: formado por duas bicicletas, uma de cada lado, atracadas a quatro rodas e ligadas ao meio por bancos de madeira. As rodas são confeccionadas com tambor de freio – uma peça do sistema de frenagem de carro popular – e acionadas quando cada bicicleta é movimentada por um condutor. Assim como as rodas, todos os componentes da estrutura do veículo provêm de sucata e de materiais reaproveitados. Ao todo, tem capacidade para cinco pessoas, inclusive cadeirantes. E roda em linhas férreas. Trata-se do Biciclotrem, uma tecnologia social certificada pela Fundação Banco do Brasil em 2017.

A ideia inusitada foi a forma que um grupo de ambientalistas – o Coletivo Cerca Onça – encontrou para ocupar a Estrada de Ferro Leopoldina, que corta o município de Cataguases (MG) e região. A proposta começou a ser concretizada em 2015, um ano depois da desativação da linha férrea, adotada pela organização não governamental Pacto Ambiental. Juntos, os voluntários do coletivo e da ONG têm como objetivo mobilizar a comunidade local para valorizar e preservar o patrimônio ferroviário e dele fazer uso para a educação, lazer, turismo e economia solidária.

“A gente reutilizou a via e materiais que estavam parados, ressignificando o patrimônio cultural. Conseguimos democratizar o uso da linha com baixo custo”, explica Marcos Torres Cravo, um dos idealizadores do projeto.

Há três anos, o Biciclotrem roda aos fins de semana em uma extensão de oito quilômetros, do centro da cidade até a estação Barão de Camargos, na área rural, conforme a demanda de moradores e visitantes. Faz de duas a quatro viagens por fins de semana, com duração de uma hora, e já levou mais de 7 mil pessoas. Cada visita começa com uma explicação sobre a importância do patrimônio ferroviário e de a população fazer uso dele.

Cravo afirma que o Biciclotrem ajuda a despertar a consciência sobre os meios de transporte não poluentes. “Leva as pessoas a verem com outros olhos a questão do transporte. Vimos como é ruim ficar preso em um modal de transporte apenas, durante a greve dos caminhoneiros. Além disso, o transporte ferroviário é muito menos poluente do que o rodoviário, só perde para o fluvial”, destaca.

O projeto também contribui para a educação ambiental, já que o Biciclotrem passa por diversos pontos próximos ao Rio Pomba, que abastece as cidades da região. Os voluntários do projeto mostram o lixo acumulado na beira do rio e alertam sobre o descarte correto de resíduos e a necessidade de cuidar da recuperação da cobertura vegetal dos mananciais. “O que a gente quer é conscientizar as pessoas para preservação do meio ambiente e do patrimônio das cidades, para cuidar de tudo que está no nosso entorno”, explica Fábio Caetano Machado, presidente da Pacto Ambiental.

Outras cidades

A experiência já foi reaplicada em outras cidades de Minas Gerais – Visconde do Rio Branco e Viçosa e já envolveu cerca de dois mil visitantes. Houve também eventos de demonstração e mobilização nas cidades mineiras de Cajuri, São Geraldo, Sobral Pinto e Cisneiros (distrito de Palma). Em São Cristóvão (SE) o veículo está passando por testes para começar a funcionar regularmente.

Os idealizadores do Biciclotrem querem que o meio seja regulamentado no Brasil, assim como ocorre em outros países. “Somos uma de duas iniciativas na América Latina, a outra fica em Mendoza, na Argentina. Podemos gerar emprego e renda, incluindo adolescentes da comunidade de 15 a 18 anos”, explica Cravo.

Para ampliar a iniciativa e ter a participação das escolas, os voluntários buscam parcerias. Interessados podem entrar em contato pelo e-mail pactoambientalong@gmail.com.

COMPARTILHAR