Método não invasivo permite avaliar sementes de soja e identificar os melhores lotes para o plantio

Um trabalho desenvolvido na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP) com apoio da FAPESP figurou entre os premiados durante a cerimônia oficial de encerramento do 9º Congresso Brasileiro de Soja e Mercosoja 2022.

Na categoria profissional, o melhor projeto foi apresentado pelo professor Francisco Guilhien Gomes Junior, da Esalq.

Intitulado “Infrared thermographic assessment to discriminate soybean seed vigor”, o estudo investigou o uso da termografia por infravermelho na avaliação de sementes de soja visando discriminar lotes de sementes quanto aos níveis de vigor. Os resultados revelaram temperaturas mais elevadas nas sementes dos lotes de menor vigor vegetativo do que naquelas de lotes de maior vigor.

“A termografia por infravermelho é um método promissor para auxiliar na seleção de lotes de sementes com potencial fisiológico superior. Essa técnica pode ser útil como um teste rápido e não invasivo para auxiliar em pesquisas de melhoramento vegetal e em programas de controle de qualidade de empresas de sementes”, explica o professor Gomes Junior.

Entre os coautores estão Agide Gimenez Marassi, Lívia Araújo Rohr e Silvio Moure Cicero.

Rohr foi bolsista de mestrado da FAPESP.

O evento foi realizado em maio, em Foz do Iguaçu (PR), e teve como tema central “Desafios para produção sustentável no Mercosul”. Além da promoção de seis conferências, 18 painéis e 50 palestras, foram realizadas sessões de pôsteres para divulgação dos resultados de trabalhos científicos. A comissão organizadora analisou os trabalhos nas categorias graduação, pós-graduação e profissional.

* Com informações da Divisão de Comunicação da Esalq-USP.