Diagnóstico de Autismo Recebe Validade Permanente

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado deu sinal verde, nesta quarta-feira (28), para um projeto de lei que concede validade permanente ao diagnóstico do transtorno do espectro autista. Como o projeto é terminativo, ele deve ser encaminhado para a Câmara dos Deputados para análise.

A proposta modifica a Lei 12.764 de 2012, que criou a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, estipulando que o laudo que atesta o transtorno do espectro autista tem “validade indeterminada”.

O senador Flávio Arns (PSB-PR), relator do projeto, afirmou que a alteração atende a uma solicitação das famílias de pessoas com autismo. Ele argumentou que a necessidade de reavaliação periódica do diagnóstico traz grandes dificuldades para essas pessoas e suas famílias, pois exige a análise de uma equipe de profissionais diversificados.

O projeto visa aliviar a carga desnecessária sobre os familiares e cuidadores de indivíduos no espectro autista, eliminando a necessidade de renovação periódica do laudo médico após o diagnóstico da condição. O processo de avaliação é exaustivo, oneroso e geralmente gera ansiedade significativa nas pessoas com autismo.

Justificativa

O senador Romário (RJ-PL), autor do projeto, justificou a iniciativa pelo fato de o autismo ser uma condição permanente do indivíduo, não havendo motivo para obrigar os responsáveis pela pessoa com autismo a passar pelo desafio de buscar um novo laudo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o autismo é caracterizado por algum grau de dificuldade de interação social e de comunicação. Outras características incluem padrões atípicos de atividades e comportamentos, como dificuldade de transição de uma atividade para outra, foco em detalhes e reações incomuns às sensações.

A OMS estima que o autismo afeta uma em cada 100 crianças em todo o mundo e que essa condição, apesar de começar na infância, tende a persistir durante a vida adulta.

Caráter Terminativo

Projetos com caráter terminativo, como este sobre a validade do diagnóstico do autismo, podem ser aprovados nas comissões e enviados para a Câmara dos Deputados sem necessidade de votação no plenário do Senado. O projeto só precisará passar pelo plenário do Senado se for apresentado um recurso assinado por, pelo menos, nove senadores dentro do prazo de cinco dias úteis.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas