El Niño extremo desliga o sumidouro de carbono florestal da América do Sul

Durante muito tempo, as florestas tropicais funcionaram como sumidouros de carbono, retirando mais carbono do ar do que libertam, um processo que moderou o impacto das alterações climáticas.
Mas uma pesquisa liderada pela Dra. Amy Bennett, pesquisadora da Universidade de Leeds, descobriu que em 2015-2016, quando um evento climático El Niño resultou em seca e nas temperaturas mais altas já registradas, as florestas sul-americanas foram incapazes de funcionar como carbono. afundar.
O El Niño ocorre quando as temperaturas da superfície do mar no Oceano Pacífico aumentam acentuadamente, desencadeando uma grande mudança no sistema climático mundial. Em 2015-2016, o resultado foi um clima excepcionalmente quente para a América do Sul. Um evento semelhante está em andamento agora.

O Dr. Bennett, da Escola de Geografia de Leeds, disse: “As florestas tropicais da Amazónia têm desempenhado um papel fundamental na desaceleração da acumulação de dióxido de carbono na atmosfera.
“Os cientistas sabem que as árvores da Amazónia são sensíveis às mudanças de temperatura e à disponibilidade de água, mas não sabemos como as florestas individuais poderão ser alteradas pelas futuras alterações climáticas.
“Investigar o que aconteceu na Amazônia durante este enorme evento El Niño nos deu uma janela para o futuro, mostrando como o clima quente e seco sem precedentes impacta as florestas.”
Os pesquisadores relatam suas descobertas na revista Nature Climate Change. O estudo uniu as redes de pesquisa RAINFOR e PPBio, com dezenas de bolsas de curto prazo que permitiram a mais de 100 cientistas medir florestas durante décadas em 123 parcelas experimentais.
As parcelas abrangem florestas amazônicas e atlânticas, bem como florestas mais secas na América do Sul tropical.
Estes registos diretos, árvore a árvore, mostraram que a maioria das florestas funcionou como sumidouro de carbono durante a maior parte dos últimos 30 anos, com o crescimento das árvores a exceder a mortalidade. Quando ocorreu o El Niño de 2015-2016, a pia fechou. Isso ocorreu porque a morte das árvores aumentou com o calor e a seca.
A professora Beatriz Marimon, da Universidade Estadual de Mato Grosso, no Brasil, acrescentou: “Aqui no sudeste da Amazônia, na orla da floresta tropical, as árvores podem agora ter deixado de armazenar carbono e passar a emiti-lo.
Embora as taxas de crescimento das árvores resistissem às temperaturas mais altas, a mortalidade das árvores aumentou quando este clima extremo atingiu”.
Resultados do estudo
Das 123 parcelas estudadas, 119 delas experimentaram um aumento médio mensal de temperatura de 0,5 graus Celsius. 99 das parcelas também sofreram déficits hídricos. Onde estava mais quente, também estava mais seco.
Antes do El Niño, os investigadores calcularam que as parcelas armazenavam e sequestravam cerca de um terço de tonelada de carbono por hectare por ano. Isto caiu para zero com as condições mais quentes e secas do El Niño.
A mudança ocorreu devido à perda de biomassa com a morte das árvores.
Escrevendo no artigo, os investigadores observaram que o maior impacto relativo do evento El Niño ocorreu nas florestas onde o clima a longo prazo já era relativamente seco.
A expectativa era que as florestas mais húmidas seriam mais vulneráveis ao clima extremamente seco, uma vez que estariam menos adaptadas a tais condições. No entanto, o oposto foi o caso. Em vez disso, as florestas mais habituadas a um clima mais seco na periferia seca do bioma florestal tropical revelaram-se mais vulneráveis à seca. Isto sugeriu que algumas árvores já estavam operando nos limites das condições toleráveis.
Para o professor Oliver Phillips, ecologista da Universidade de Leeds que supervisionou a investigação e lidera a iniciativa global ForestPlots, as descobertas ofereceram esperança sobre a resiliência da natureza tropical sul-americana. Ele acrescentou: “A perspectiva completa de 30 anos fornecida pela nossa diversificada equipe mostra que este El Niño não teve pior efeito nas florestas intactas do que as secas anteriores. No entanto, esta foi a seca mais quente de sempre. “O aumento da mortalidade de árvores foi nas áreas mais secas da periferia amazônica, onde as florestas já estavam fragmentadas.
Conhecendo estes riscos, os conservacionistas e gestores de recursos podem tomar medidas para protegê-los.
“Através da complexa dinâmica que acontece nos ambientes florestais, o desmatamento torna o ambiente mais seco e quente, estressando ainda mais as árvores remanescentes.
“Então, o grande desafio é manter as florestas em pé em primeiro lugar. Se conseguirmos fazer isso, então as nossas evidências no terreno mostram que podem continuar a ajudar a reter o carbono e a abrandar as alterações climáticas.”
Dois relatórios são publicados na Nature Climate Change relacionados a esta pesquisa. O artigo científico, “Sensibilidade das florestas tropicais da América do Sul a uma anomalia climática extrema”, e um resumo de pesquisa intitulado “Impacto do El Nino 2015-2016 nas florestas tropicais da América do Sul”.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas