Investimento em Energia Nuclear Gera Retorno Triplicado, Revela Estudo da FGV

 

A FGV Energia divulgou na quinta-feira, 29 de fevereiro, o estudo “Impactos Socioeconômicos das Atividades Nucleares no Brasil”. Segundo a pesquisa, para cada R$ 1 bilhão investido em energia nuclear no Brasil, há um retorno de R$ 3,1 bilhões na produção nacional. Além disso, o Produto Interno Bruto (PIB) do país aumenta em R$ 2 bilhões e são criados 22,5 mil novos empregos.

O estado do Rio de Janeiro é o maior beneficiário da economia gerada pela atividade nuclear. Dos R$ 3,1 bilhões que contribuem para a produção, 68% (ou seja, R$ 2,12 bilhões) permanecem no estado. O PIB do Rio de Janeiro recebe R$ 1,6 bilhão, correspondendo a 80% do total de R$ 2 bilhões. Além disso, o estado ganha 17 mil novos empregos, o que representa 75% do total.

O Rio de Janeiro é sede das usinas nucleares de Angra 1 (640 MW) e Angra 2 (1.350 MW), além das Indústrias Nucleares do Brasil, localizadas em Resende, e a Eletronuclear, que opera as duas usinas. A usina de Angra 3 (1.350 MW), apesar de estar em construção com as obras paralisadas, também será instalada no estado. Celso Cunha, presidente da associação, destaca que o retorno de R$ 3,1 bilhões é significativo e ressalta o potencial da energia nuclear na medicina, que necessita de agilidade para suprir a demanda insuficiente de exames na área em comparação com outros países.

O estudo da FGV ressalta que as atividades nucleares no Brasil não apenas contribuem para a segurança energética, mas também geram empregos, estimulam o crescimento econômico e posicionam o país como um player estratégico no cenário internacional. Além disso, o futuro pode trazer ainda maiores impactos na economia, especialmente com o uso de reatores nucleares de pequena escala (Small Modular Reactors), que têm vantagens de custo e financeiras. Esses reatores podem substituir outros tipos de geração e impulsionar ainda mais os investimentos na energia nuclear.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas