Paris sob cerco de agricultores e Mona Lisa alvo de ataque

Paris está se preparando para uma onda de protestos de agricultores furiosos. O Ministério do Interior da França mobilizou milhares de policiais para manter a ordem e proteger pontos vitais na cidade.

Ameaça ao Mercado Internacional de Rungis

Os agricultores estão planejando mirar o Mercado Internacional de Rungis, o principal fornecedor de alimentos frescos para a capital e a região circundante. O ministro do Interior, Gerald Darmanin, ordenou às forças de segurança que impeçam qualquer bloqueio do mercado e dos aeroportos de Paris. Helicópteros serão usados para monitorar comboios de tratores.

Bloqueio de estradas

Darmanin também alertou que todas as oito rodovias que levam a Paris podem ser bloqueadas a partir do meio-dia de segunda-feira. Ele pediu aos motoristas que antecipem os bloqueios, prevendo “dificuldades obviamente muito importantes”.

Protestos originados em Lot-et-Garonne

Os protestos se originaram na região de Lot-et-Garonne, com agricultores do sindicato de Coordenação Rural planejando usar seus tratores para se dirigir ao Mercado Internacional de Rungis na segunda-feira.

Paris “sob cerco”

Os dois maiores sindicatos de agricultores da França anunciaram que seus membros tentarão bloquear todas as principais estradas para a capital, com o objetivo de colocar a cidade “sob cerco”, a partir da tarde de segunda-feira.

Ativismo climático no Louvre

Em um incidente separado, dois ativistas climáticos jogaram sopa no vidro que protege a Mona Lisa no Museu do Louvre, pedindo um sistema alimentar sustentável. As duas pessoas foram presas após o incidente.

Por que os agricultores estão protestando?

Os agricultores franceses estão furiosos com uma série de políticas e cortes de financiamento que afetam sua indústria. Eles estão exigindo melhor remuneração por seus produtos, menos burocracia ambiental e proteção contra importações baratas.

Eles também estão protestando contra a proposta de eliminação dos subsídios ao gasóleo agrícola, taxas adicionais para o consumo de água e proibições de pesticidas e herbicidas impulsionadas pelo Pacto Ecológico da UE.

Os agricultores argumentam que essas políticas contraditórias estão deixando a indústria agrícola em uma posição difícil, tentando reduzir o impacto ambiental da agricultura e, ao mesmo tempo, aumentar a produção de alimentos.

Na última sexta-feira, o governo divulgou uma série de medidas que, de acordo com os agricultores, não satisfazem completamente suas reivindicações. Estas incluem uma “simplificação drástica” de alguns procedimentos técnicos e a eliminação gradual dos impostos sobre o diesel para veículos agrícolas.

O recém-nomeado primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, fez uma visita a uma fazenda no domingo na região central de Indre-et-Loire. Ele reconheceu a situação desafiadora dos agricultores, pois “de um lado dizemos ‘precisamos de qualidade’ e de outro ‘queremos preços cada vez mais baixos’”.

Ele enfatizou que “o desafio é encontrar soluções a curto, médio e longo prazo”, acrescentando que “precisamos de nossos agricultores”.

Attal também mencionou que seu governo está avaliando medidas “adicionais” para combater o que ele chamou de “concorrência desleal” de outros países que possuem diferentes regras de produção e estão importando alimentos para a França.

Ele se comprometeu a tomar “outras decisões” nas próximas semanas para atender às preocupações dos agricultores.

Edição Atual

Noticias Relacinadas