São Paulo: lançada primeira estação de abastecimento de veículos com hidrogênio verde

O governo de São Paulo anunciou que a capital paulista vai implementar a primeira estação mundial de abastecimento com hidrogênio verde a partir do etanol. A iniciativa é uma parceria entre o Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa (RCGI), players da iniciativa privada e a USP. A previsão para início de operação do projeto é até o final do primeiro semestre de 2024.

A diretora de Projetos de Investimentos da Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (InvestSP), Marília Garcez, explica como está estruturado o projeto.

“Se produz o hidrogênio a partir da reforma do etanol, esse hidrogênio será combustível de abastecimento dos ônibus que rodam dentro da cidade universitária, onde haverá inclusive um ponto de suprimento, um ponto de abastecimento desse hidrogênio em estado gasoso. A gente acredita que ele vai ser muito bem-sucedido e tem uma capacidade de ganho de escala”, diz.

Segundo o governo do estado, a planta-piloto deve ocupar uma área de 425 metros quadrados no campus da USP, na capital. A área vai receber “reservatórios de etanol e hidrogênio, laboratório, sala de controle e um reformador com capacidade de produzir 4,5 quilos de hidrogênio verde por meio do etanol”.

De acordo com o Gerente de Análise e Informações ao Mercado na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Ricardo Gedra, o hidrogênio verde é um vetor energético muito importante para colaborar com a descarbonização de setores como o de transporte que tem dificuldade em eliminar ou limitar a utilização de combustíveis que emitem carbono.

“Então, por exemplo, transporte marítimo, transporte rodoviário e alguns setores da indústria, para estes segmentos o hidrogênio verde se torna uma alternativa técnica viável para ser considerado como combustível substituto e assim, conseguir trocar os combustíveis utilizados por essa indústria que atualmente são combustíveis de origem fóssil e com emissões associadas para um combustível de baixa emissão. Com isso, a relevância deste elemento é uma solução para esses setores para conseguir alcançar a descarbonização”, afirma.

Segundo o governo de São Paulo, o projeto tem um investimento de R$ 182 milhões. O hidrogênio produzido na estação experimental vai ser utilizado para abastecer três ônibus cedidos pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) do Governo de São Paulo e um veículo cedido por uma montadora japonesa.
Fonte: Brasil 61

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas