A Descoberta do Ouro Negro da Amazônia

Nas profundezas da Amazônia, Mark Robinson, professor sênior de arqueologia da Universidade de Exeter, e uma equipe internacional de cientistas, encontraram-se em uma expedição a um pedaço remoto de floresta em Iténez, noroeste da Bolívia, perto da fronteira com o Brasil. A jornada até lá foi árdua, envolvendo um voo arrepiante e uma longa caminhada pela densa floresta tropical, mas a descoberta que fizeram valeu a pena: a “terra escura amazônica” (ADE), às vezes conhecida como “ouro negro” ou terra preta.

O Ouro Negro

A ADE é uma camada de solo negro de carvão, que pode ter até 3.8m (12,5 pés) de espessura, encontrada em manchas em toda a bacia amazônica. É intensamente fértil, rico em matéria orgânica em decomposição e nutrientes essenciais para o cultivo das culturas, como nitrogênio, potássio e fósforo. Ao contrário dos solos finos e arenosos típicos da floresta tropical, essa camada não foi depositada naturalmente – foi obra de humanos antigos.

Este solo rico é uma relíquia de uma época muito diferente – uma época em que grupos indígenas formaram uma próspera rede de assentamentos em todo o mundo da floresta tropical. Em janeiro de 2024, cientistas anunciaram a redescoberta de uma cidade “jardim” há muito desaparecida. Escondido sob a folhagem da floresta tropical no vale de Upano, no Equador, estava um centro urbano de 2.000 anos, completo com praças, ruas e plataformas cerimoniais.

Acredita-se que a cidade-jardim só poderia suportar tantas pessoas por causa do solo vulcânico fértil da região. Mas em outras partes da Amazônia, as comunidades indígenas dependiam da ADE para melhorar a produtividade de suas terras. Agora, há um interesse crescente nas lições que seus métodos podem trazer para as sociedades de hoje, desde melhorar a produtividade das lavouras até vencer as mudanças climáticas.

A Amazônia Oculta

Cercado pelos cheiros e sons da floresta tropical em Versalles, no afastamento da Amazônia, Robinson diz que seria tentador pensar que você está em um deserto imaculado. Mas não é bem assim.

“Quanto mais descobrimos, [fica claro que] não é necessariamente floresta primária”, diz Robinson. “Para onde quer que olhemos, embora pareça uma viagem realmente árdua para nós, e que estejamos no lugar mais remoto, apenas encontramos evidências de comunidades passadas em todos os lugares.”

Em 2017, uma pesquisa revelou que as árvores domesticadas têm cinco vezes mais chances de serem dominantes na Amazônia do que as não domesticadas – com mais aparência quanto mais perto você se aproxima de assentamentos antigos. Embora hoje muitas das comunidades indígenas da Amazônia tenham desaparecido, dizimadas pelos colonos ocidentais e pelas doenças que carregavam, suas práticas agrícolas continuam a moldar a floresta tropical.

Outro elemento crucial dessa influência oculta é o EAM, que é generalizado. “Essa é a coisa fascinante – realmente é pan-amazônica, estamos encontrando em todos os lugares”, diz Robinson.

Esta camada preciosa contém uma potente mistura de material inorgânico, incluindo cinzas, cerâmica, ossos e conchas, juntamente com matéria orgânica, como restos de alimentos, estrume e urina. É simultaneamente um tesouro de lixo antigo que é extremamente emocionante para arqueólogos como Robinson, e uma parte funcional do solo amazônico – que continua a enriquecer.

“Eles realmente são uma mina de ouro”, diz Robinson. Junto com sementes fossilizadas e artefatos cerâmicos que datam de milhares de anos, há pistas microscópicas de como a floresta tropical pode ter sido há milhares de anos. Um exemplo são os esferulitos fecais: minúsculos cristais encontrados em esterco de animais que sugerem os tipos de animais que antes vagavam pela paisagem – e defecavam nela.

Uma história viva

O ADE despertou o interesse dos ocidentais pela primeira vez na década de 1870, quando vários cientistas notaram independentemente camadas negras de solo que contrastavam com o tipo pálido ou avermelhado que os cercava. Um dos primeiros exploradores descreveu-o como um “loam fino e preto”, e observou que “espalhados por toda parte encontramos fragmentos de cerâmica indiana, tão abundante em alguns lugares que quase cobrem o chão”.

No entanto, como os ADEs foram criados tem sido um mistério. Os cientistas questionam se esses solos foram produzidos por acidente – produto de gerações de indígenas descartando lixo – ou por meio de um processo intencional para enriquecer a floresta tropical e tornar seu solo mais adequado para a agricultura.

Em 2023, uma equipe internacional de cientistas avaliou. Ao combinar uma análise da estrutura e composição dos EAMs com observações e entrevistas com a comunidade indígena de Kuikuro – no sudeste da Amazônia, no Brasil central – os pesquisadores concluíram que essas camadas de solo foram de fato feitas de propósito.

A idade e a distribuição desses depósitos de solo contam a história da ascensão e queda de antigas civilizações indígenas em toda a Amazônia. Embora as camadas mais antigas desses solos negros tenham cerca de 5.000 anos, “vemos muito mais [evidências de EAMs sendo produzidas] há cerca de 4.000 anos”, diz Robinson. “Há muito mais atividade, muitas mudanças culturais.”

Só há cerca de 2.000 anos, no entanto, é que eles atingem seu pico, diz Robinson. Essa é a idade média dos depósitos negros que são encontrados em uma ampla área em toda a bacia amazônica. Nesse ponto, as comunidades eram maiores e formavam vastas redes. No entanto, os assentamentos onde as pessoas produziam ADE normalmente não estavam na mesma escala que a cidade recém-redescoberta no Equador.

Uma razão para isso pode ser o poder do próprio ADE. Dentro do cenário de um habitat abundante na selva, enriquecido pelos povos indígenas com tudo o que eles precisam – árvores frutíferas e solo rico para o cultivo – Robinson acredita que pode não ter havido necessidade de as pessoas se voltarem para a agricultura em maior escala. “Então, [é possível que] você realmente não precise do nível hierárquico extra [que tende a se desenvolver em assentamentos em massa]”, diz Robinson.

Mas, há cerca de 500 anos, algo estava claramente muito errado. “É quando realmente vemos isso [a produção do ADE] cair”, diz Robinson.

Acredita-se que isso reflita as consequências da chegada de Cristóvão Colombo em solo sul-americano em 1 de agosto de 1498. Quando ele mergulhou a bandeira vermelha e dourada da Espanha no chão da Península de Paria, na Venezuela, marcou o início de uma “grande morte”. Estima-se que 56 milhões de indígenas foram mortos nas Américas até 1600 – tantos, que esfriaram o clima da Terra.

Um sumidouro de carbono

Embora muitos dos antigos habitantes da Amazônia tenham desaparecido há muito tempo, seu legado permanece. Curiosamente, nem todos os ADEs que eles deixaram para trás têm a mesma maquiagem – na verdade, eles variam muito, dependendo dos ingredientes específicos usados em diferentes locais.

“Mas o mecanismo básico para criar os solos e enriquecê-los parece ser semelhante”, diz Robinson. “Eles [indígenas] estão investindo diretamente nos solos, a começar pelos próprios resíduos”, diz. A base é composta principalmente por restos de alimentos, com adição de fezes e carvão. E é este último que está atraindo cada vez mais atenção.

Acontece que não apenas os ADEs são extraordinariamente ricos em nutrientes, mas também são poderosos sumidouros de carbono – com até 7,5 vezes mais carbono dentro em comparação com os solos circundantes. À medida que os ADEs se acumulam, o carbono fica preso no subsolo, onde permanece estável por centenas de anos – trancando-o e atrasando sua entrada na atmosfera.

Não está claro por que o carbono dentro dos ADEs se comporta dessa maneira, mas os cientistas suspeitam que tenha algo a ver com o “carbono negro”, também conhecido como “biochar”. Este ingrediente-chave é feito de material orgânico que foi transformado em carbono quase puro em altas temperaturas, na presença de pouco oxigênio. O processo não emite tanto dióxido de carbono quanto a produção de carvão vegetal, mas leva a um produto fino e esfarelado que foi encontrado em ADEs em toda a Amazônia.

Edição Atual

Noticias Relacinadas