A Desigualdade e a Mudança Climática: Uma Perspectiva Inovadora

A promoção de comportamentos favoráveis ao clima é um desafio complexo que requer uma abordagem multifacetada. Em um relatório recentemente publicado na revista Nature Climate Change, pesquisadores argumentam que a luta contra a desigualdade é vital para mover o mundo em direção ao Net-Zero. Eles afirmam que a desigualdade restringe quem pode adotar comportamentos de baixo carbono e, portanto, deve ser abordada para mitigar efetivamente as mudanças climáticas.

Desigualdades Profundamente Enraizadas

Os pesquisadores destacam a falta de reconhecimento político das barreiras que podem dificultar a mudança das pessoas para comportamentos mais amigáveis ao clima. Eles sugerem que os formuladores de políticas devem oferecer oportunidades iguais para comportamentos de baixo carbono em todas as faixas de renda da sociedade.

A desigualdade é definida de várias maneiras no relatório: em termos de riqueza e renda, influência política, tempo livre e acesso a opções de baixo carbono, como transporte público e subsídios de isolamento habitacional.

Charlotte Kukowski, pesquisadora de pós-doutorado nos departamentos de psicologia e zoologia da Universidade de Cambridge e primeira autora do relatório, disse: “É cada vez mais reconhecido que há desigualdade em termos de quem causa as mudanças climáticas e quem sofre as consequências, mas há muito menos atenção sendo dada ao efeito da desigualdade na mudança de comportamentos para reduzir as emissões de carbono”.

Desigualdade de Oportunidades

Os pesquisadores descobriram que desigualdades profundamente enraizadas podem restringir a capacidade das pessoas de mudar para comportamentos de baixo carbono de muitas maneiras. Eles citam vários exemplos disso, como o custo de isolar uma casa no Reino Unido. Os subsídios governamentais geralmente só estão disponíveis para os proprietários de imóveis; Os inquilinos têm pouco controle sobre as casas em que vivem. Os pesquisadores pedem esquemas governamentais apropriados que tornem mais viável para as pessoas em grupos de renda mais baixa reduzir as emissões de carbono de suas casas.

Cozinhar mais refeições sem carne também é sinalizado como uma área problemática. Comer mais alimentos à base de plantas em vez de carne e produtos derivados de animais é uma das mudanças mais eficazes que um indivíduo pode fazer na redução de sua pegada de carbono, mas as alternativas de carne à base de plantas atualmente tendem a ser menos acessíveis do que os produtos de origem animal que estão tentando substituir.

Comprar um carro ou bicicleta elétrica é um custo inicial substancial, e as pessoas que não estão em emprego permanente muitas vezes não podem se beneficiar de incentivos fiscais ou financiamento disponível por meio de esquemas do empregador.

Outras opções de transporte hipocarbónico – como a utilização de transportes públicos em vez de um automóvel particular – tornam-se menos viáveis para muitos devido a serviços deficientes e ao elevado custo, especialmente nas zonas rurais.

Envolva Todos

Emma Garnett, pesquisadora de pós-doutorado da Universidade de Oxford e segunda autora do relatório, disse: “Se você tem mais dinheiro, é provável que cause mais emissões de carbono, mas também é mais provável que tenha maior capacidade de mudar as coisas que faz e reduzir essas emissões”.

Ela acrescentou: “Intervenções direcionadas a indivíduos com alta emissão são urgentemente necessárias, mas também muitas áreas onde há escolhas de baixo carbono que são menos acessíveis para aqueles com renda mais baixa. Precisamos garantir que todos tenham a capacidade de fazer escolhas de baixo carbono”.

Este artigo destaca a necessidade de uma abordagem inclusiva e equitativa para combater as mudanças climáticas. Ao abordar a desigualdade, podemos capacitar mais pessoas a adotar comportamentos de baixo carbono e acelerar nossa transição para um futuro Net-Zero.

Edição Atual

Noticias Relacinadas