Parecer científico sobre o trabalho híbrido e estratégias para o êxito

 

Certos aspectos da vida científica não se adequam ao trabalho em casa. O arqueólogo Adrià Breu, que estuda cerâmica neolítica na Universidade Autônoma de Barcelona, Espanha, não pode escavar artefatos em sua cozinha, e os experimentos de Claudia Sala em microbiologia molecular na Fundação Toscana Life Sciences em Siena, Itália, a obrigam a se deslocar para seu laboratório na maioria dos dias. Mas ambos esses pesquisadores também trabalham em casa – quando escrevem artigos, por exemplo, ou analisam dados.

É uma história familiar. A pandemia de COVID-19 acelerou a transição para o trabalho híbrido na ciência, assim como em muitas outras profissões, com muitas universidades e institutos permitindo formalmente que os funcionários dividam seu tempo entre o trabalho no escritório ou laboratório e o trabalho em casa. Milhões de pessoas alteraram seus padrões de trabalho praticamente da noite para o dia, e as mudanças permaneceram.

Mas o impacto dessa mudança abrangente é menos claro. Os trabalhadores remotos afirmam que estão mais felizes e mais produtivos. Mas alguns estudos sugerem que equipes que trabalham em proximidade, incluindo grupos de pesquisa acadêmica, produzem resultados de maior qualidade e mais inovadores.

À medida que o trabalho híbrido se consolida, os pesquisadores estão correndo para entender as implicações completas – para a ciência e para tudo mais. Recorrendo à economia, psicologia e teoria da comunicação, eles estão investigando muitos aspectos do trabalho híbrido, desde como as pessoas respondem a e-mails e videochamadas, até como equipes que trabalham remotamente colaboram e transferem conhecimento.

Eles também estão explorando o que a ciência pode oferecer para unir a lacuna entre equipes baseadas no escritório e equipes remotas, e assim tornar o trabalho híbrido um sucesso.

Possibilidades remotas
Trabalhar remotamente era uma opção para algumas pessoas antes da pandemia de COVID-19, mas não para muitas. Em 2016, apenas 4% dos dias úteis completos nos Estados Unidos foram trabalhados em casa. Essa proporção chegou a até 60% em maio de 2020 e desde então se estabilizou em cerca de 25%. É uma história semelhante em outros países. De acordo com dados do governo do Reino Unido de 2022-23, quase metade dos trabalhadores relataram passar algum tempo trabalhando em casa.

Os pesquisadores em todas as áreas científicas estiveram à frente da tendência quando se trata de trabalhar em equipes geograficamente distantes. À medida que a tecnologia e as políticas incentivaram a troca de ideias, dados e materiais, e a expertise se tornou mais especializada, a dispersão geográfica das equipes de pesquisa colaboradoras aumentou. Uma análise de 2011 examinou os endereços de cerca de 39 milhões de autores de artigos de pesquisa e descobriu que a distância média de colaboração aumentou mais ou menos linearmente de 334 quilômetros em 1980 para 1.553 km em 2009. Isso indica que a colaboração remota estava bem estabelecida nesse ponto e que as equipes estavam se tornando mais internacionais.

Os membros dessas equipes de pesquisa remotas geralmente não estavam trabalhando em casa. Mas os desafios da colaboração à distância e sua dependência da tecnologia em vez da comunicação presencial têm muito em comum com a forma como organizações e empresas de todos os setores estão tentando construir estruturas híbridas de sucesso, diz Ágnes Horvát, pesquisadora em comunicação e ciência da computação que estuda o impacto das práticas de trabalho remoto na Universidade Northwestern em Evanston, Illinois.

Em termos das maneiras como os cientistas trabalham, diz Horvát, “os problemas que estamos enfrentando são bastante gerais”. Isso sugere que os pesquisadores podem recorrer a estudos sobre trabalho remoto ou híbrido em empresas de seguros e em outros locais de trabalho e aplicar as lições à ciência, acrescenta ela.

Havia muitos estudos para se basear mesmo antes da pandemia. Empresas, pesquisadores e estudiosos de negócios têm acompanhado e previsto as consequências do trabalho remoto há décadas.

Na década de 1980, a corporação bancária americana American Express realizou com sucesso um piloto chamado Projeto Homebound, que estava testando um sistema de escritório alternativo baseado em casa para pessoas com deficiência. O projeto foi considerado um sucesso, e a empresa se gabava de economias de custo e aumento de produtividade. Mas os sindicatos estavam preocupados com a exploração e pediram a proibição de “estações de trabalho domiciliares eletrônicas”.

Mais recentemente, uma série de pequenos estudos sobre grupos específicos, como trabalhadores de call center e profissionais de TI, mostraram que os trabalhadores totalmente remotos tendem a ser menos produtivos – em cerca de 10-20%. Eles lidam com menos chamadas, inserem menos dados e levam mais tempo para realizar as mesmas tarefas. Isso vai contra as afirmações nos primeiros dias da pandemia de que as pessoas que trabalham em casa fazem mais trabalho do que aquelas que estão no escritório.

Na teoria, o trabalho híbrido equilibra o desejo dos trabalhadores de serem flexíveis com as preocupações dos chefes sobre a produção. E um estudo de 2022 com 1.612 engenheiros e funcionários de marketing e finanças da agência de viagens global Trip.com pareceu confirmar isso. A empresa designou pessoas para trabalhar no escritório em tempo integral ou por dois dias por semana. Os funcionários que trabalhavam no padrão híbrido estavam mais felizes e menos propensos a deixar a empresa do que aqueles que trabalhavam no escritório em tempo integral. Os resultados, publicados como um paper de trabalho e ainda não revisados por pares, sugeriram que, embora os membros da equipe designados para o grupo híbrido trabalhassem em horários e padrões diferentes daqueles que estavam no escritório, a produtividade geral dos grupos era a mesma.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas