A Revolução das Proteínas Alternativas: Uma Nova Era para a Sustentabilidade Alimentar e Climática

À medida que o Pacto Ecológico Europeu entra numa fase crítica, é necessário um grande esforço para ajudar as proteínas alternativas a descolar e a desempenhar o seu papel na segurança alimentar e climática da UE. Algo extraordinário está acontecendo no mundo da energia. Depois de pelo menos 400.000 anos queimando carbono para suas necessidades de energia (e cozinha), uma combinação de políticas de energia limpa e dinâmica de mercado está ajudando o mundo a superar as queimadas.

Pela primeira vez, a UE gerou mais eletricidade a partir de energia eólica e solar do que a gás no ano passado. Em todo o mundo, a energia eólica e solar barata está expulsando os combustíveis fósseis da matriz energética, e veículos elétricos e bombas de calor estão destruindo a demanda por petróleo e gás de algumas das aplicações mais famintas por energia.

A Transformação do Mundo da Comida

O mundo da comida pode estar prestes a passar por uma transformação semelhante, e não tão cedo. Os cientistas alertam que não há chance de limitar o aquecimento global a 1,5ºC sem grandes mudanças no que comemos e como produzimos. A pecuária industrial desempenha um papel descomunal na condução das emissões no setor de alimentos.

Mais de um terço (36%) das emissões relacionadas com o consumo na UE provém dos alimentos que consumimos, sendo os produtos animais responsáveis por 70% desse impacto, a maior parte proveniente da criação industrial de animais. Além disso, a produção de carne e de lacticínios é a maior fonte de emissões de metano na UE.

Com as projeções mostrando que a produção de carne na Europa continuará crescendo até 2030, intervenções urgentes e efetivas no setor de carne são necessárias para atingir o zero líquido até 2050.

O Avanço das Proteínas Alternativas

Grandes avanços tecnológicos em carnes plant-based, derivadas de fermentação e cultivadas, coletivamente conhecidas como proteínas alternativas (APs), estão agora oferecendo uma opção adicional para reduzir significativamente as emissões de gases de efeito estufa associadas à produção de carne em até 90% e reduzir o uso da terra em até 95% – o setor pecuário ocupa mais de 70% das terras agrícolas da Europa.

As proteínas alternativas abrem uma oportunidade para abrir mão da pecuária mais intensiva e em grande escala, porque são produtos semelhantes que rivalizam com a carne industrial em sabor, preço, nutrição e conveniência. Ao lado de leguminosas, leguminosas e grãos integrais, as APs podem fornecer uma alternativa à produção industrial de carne à medida que a demanda por proteína aumenta nos próximos anos.

Os agricultores amigos da natureza devem saudar esta nova tecnologia, até porque quanto mais proteínas alternativas forem consumidas, mais espaço haverá para uma agricultura menos intensiva e de menor escala e para os habitats mais selvagens que são essenciais para qualquer sistema agrícola sustentável.

De fato, a elevada utilização de proteínas alternativas libertaria terras suficientes para cumprir o objectivo de 25% de agricultura biológica da Europa, ao mesmo tempo que cumpriria o seu objectivo de neutralidade climática. Além disso, dado o quão consolidadas são as indústrias de carne e laticínios, a produção de proteínas alternativas apoiada pelo público e bem regulamentada tem o potencial de redistribuir o poder entre os agricultores e diminuir os monopólios nos sistemas alimentares.

O Maior Impacto Climático para o Dinheiro

Os investimentos em carne à base de plantas proporcionam o maior impacto climático. Cada euro investido na melhoria e ampliação da produção de APs resulta em 14 vezes mais economia de emissões do que a energia limpa.

No entanto, os investimentos privados e públicos em proteínas alternativas (4,6 mil milhões de euros e 920 milhões de euros, respetivamente) ainda são diminutos em comparação com os cerca de anualmente.

A Política das Proteínas Alternativas

Mais preocupante do que os baixos níveis de investimento é o fato de que a promissora tecnologia AP corre o risco de se envolver nas manifestações mais extremas da política emocionalmente carregada de comida, terra e identidade.

O governo de extrema-direita da Itália, apoiado pelo influente lobby agrícola Coldiretti, decidiu recentemente proibir a carne cultivada (“alimento artificial”, como eles chamam) e “termos de carne” para produtos à base de plantas como parte de um esforço para “proteger a produção doméstica dos ataques de empresas multinacionais”.

Vários outros países já tomaram medidas semelhantes e estão agora a levar o debate para a reunião ministerial da Agricultura da UE em Bruxelas esta semana. Como resultado disso, as APs estão se juntando às fileiras de painéis solares, moinhos de vento, baterias, EVs e bombas de calor, um conjunto de tecnologias que passaram a simbolizar o sucesso do Pacto Ecológico Europeu, mas também se transformaram em para-raios para a extrema direita e sua estratégia de alimentar guerras culturais e promover teorias da conspiração para ganhar poder.

O Desafio do Crescimento das Proteínas Alternativas

Ao contrário dessas outras tecnologias relacionadas à energia, as APs ainda estão em um estágio muito anterior de desenvolvimento, tanto em termos de maturidade da tecnologia quanto de penetração no mercado. Assim, as AP são mais vulneráveis ao facto de o seu crescimento estar actualmente bloqueado, o que representa grandes riscos para os esforços da UE para combater as alterações climáticas e proteger a natureza.

Mesmo com uma modesta participação de mercado global de 11% até 2035, as APs economizariam 850 milhões de toneladas de CO2 até 2030, o equivalente a 95% das emissões globais da aviação. Além disso, a expansão da produção de AP tem o potencial de gerar até 83 milhões de empregos e criar quase € 645 bilhões em atividade econômica até 2050 em todo o mundo.

Benefícios para a Saúde Pública

Além de criar empregos, o setor emergente traz benefícios significativos para a saúde pública. Ao promovermos proteínas vegetais e alternativas, podemos potencialmente evitar muitas das 390 000 mortes por ano previstas na UE devido à utilização excessiva de antibióticos em animais de criação.

Além disso, a pecuária industrial é um dos principais impulsionadores de doenças zoonóticas como a COVID-19, enquanto o consumo de carne vermelha e processada é um dos principais fatores de risco para câncer colorretal, diabetes e ataques cardíacos. Uma mudança para dietas à base de plantas pode ajudar a reduzir os custos para os sistemas de saúde associados a essas doenças.

A Segurança Alimentar e as Proteínas Alternativas

Proteínas alternativas precisam de ajuda para desempenhar seu papel. A dependência das culturas para alimentar os animais também tem implicações de longo alcance para a segurança alimentar.

Dois terços de todos os cereais consumidos na UE não acabam nos pratos dos europeus, mas nas barrigas de vacas, porcos e galinhas, elevando os preços dos grãos e expulsando pequenos agricultores e pastores de suas terras.

A maior parte da soja e dos cereais destinados à alimentação animal é importada, aumentando a dependência do continente de terras estrangeiras. Esta situação sublinha a necessidade de uma transição para as proteínas alternativas, não só para combater as alterações climáticas, mas também para garantir a segurança alimentar a longo prazo.

Os governos dos Estados-Membros da UE e a Comissão Europeia mobilizaram milhares de milhões de euros e aprovaram legislação para apoiar a investigação, a inovação e a implantação de energias renováveis e veículos elétricos para limpar a energia e os transportes, promover a segurança energética e proporcionar uma transição justa.

Uma vez que o Pacto Ecológico Europeu entra agora numa fase crítica, é necessário um esforço equivalente para ajudar as proteínas alternativas a descolar e a desempenhar o seu papel na segurança alimentar e climática da UE.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas