Como o arroz escondido por uma mulher que fugia da escravidão em 1700 poderia ajudar seus descendentes

O Legado do Arroz

No período entre o século XVII e o XIX, os africanos escravizados encontraram uma maneira engenhosa de resistir à opressão das plantações surinamesas supervisionadas por colonos holandeses. Eles escondiam grãos de arroz em seus cabelos, uma estratégia que lhes permitiu cultivar alimentos quando encontraram refúgio na densa floresta amazônica. Hoje, séculos depois, essas mesmas espécies de arroz estão sendo preservadas por um banco de genes. O objetivo é duplo: salvar as raras espécies de arroz do Suriname e preparar as comunidades para serem mais resilientes à crise climática.

Albertina Adjako, uma descendente desses africanos – que se tornaram conhecidos como Maroons – caminha cuidadosamente entre suas mudas de arroz em Brokopondo, uma cidade no interior do Suriname. Ela está experimentando variantes fornecidas pelo centro de pesquisa de arroz apoiado pelo estado do Suriname, SNRI/ADRON. Muitas dessas sementes vêm originalmente das próprias comunidades Saamaka, coletadas e preservadas por Nicholaas Pinas e seus colegas.

Adjako inspeciona suas plantas com preocupação. “Estamos preocupados porque tivemos um longo período de seca”, diz ela. A seca é apenas um dos muitos eventos climáticos extremos que ameaçam as comunidades agrícolas rurais. Inundações, ventos fortes e outros fenômenos climáticos também representam riscos significativos.

A Diversidade do Arroz

Algumas espécies de arroz são conhecidas por Adjako como “amantes do sol”, enquanto outras são “amantes da água”. Nicholaas Pinas, um especialista surinamês em espécies de arroz, explica: “Existem variedades que prosperam em clima seco, exigindo menos água do que algumas outras. Em um ano com pouca chuva, eles produzem naturalmente muito mais do que as variedades que precisam de mais água.”

Cultivar uma rica diversidade de espécies espalha o risco e ajuda a resiliência diante de choques externos, como eventos relacionados ao clima. “Você sempre teria algo para comer”, diz Pinas, pesquisador de doutorado no Naturalis Biodiversity Center da Holanda em Leiden e na Universidade de Wageningen.

A História do Arroz Maroon

A história do arroz Maroon está profundamente enraizada na luta pela liberdade. Fugindo da escravidão, os Maroons criaram comunidades ocultas e autônomas, cultivando uma identidade distinta enraizada na busca pela liberdade. Seu alimento básico é o arroz, mas eles também cultivam mandioca e banana.

Albert Aboikoni, o chefe supremo dos Saamaka, chamado de granman em seu idioma crioulo, explica que o arroz era uma cultura crucial para a sobrevivência dos Maroons. O granman conta a história de como um ancestral do século XVIII chamado Ma Paanza escondeu grãos de arroz em seu cabelo e os levou para as comunidades recém-fundadas na selva. Os Saamaka ainda cultivam uma variedade de arroz chamada Ma Paanza.

Desafios Atuais

Hoje, séculos após a fuga das plantações, os Saamaka encontram suas terras ancestrais enfrentando novas ameaças, desta vez da quebra climática. Em 2022, o Suriname suportou o peso de chuvas intensas devido à crise climática e aos padrões climáticos de La Niña, resultando em inundações generalizadas no interior.

Em resposta à crescente pressão das chuvas extremas no reservatório de Brokopondo no meio do país, a empresa estatal de petróleo e gás, Staatsolie, abriu as comportas da represa de Afobaka. Campos cultivados ficaram submersos por meses, levando à perda irrevogável de algumas espécies de arroz. “Eles não conseguiram salvar nada”, diz Adjako.

O Futuro do Arroz Maroon

Apesar dos desafios, a comunidade Saamaka está determinada a preservar sua herança agrícola. Com a ajuda do Crop Trust, uma organização sem fins lucrativos dedicada à proteção da diversidade de culturas, as sementes de arroz do Suriname estão sendo coletadas e protegidas. O Crop Trust armazenou sementes do Suriname no Svalbard Global Seed Vault, um arquivo agrícola seguro na ilha ártica norueguesa de Spitsbergen.

A história do arroz Maroon é uma história de resistência e adaptação. É uma história que continua a ser escrita hoje, à medida que a comunidade Saamaka enfrenta novos desafios e continua a preservar e cultivar o legado deixado por seus ancestrais. A comunidade Saamaka está determinada a preservar sua herança agrícola. Com a ajuda do Crop Trust, uma organização sem fins lucrativos dedicada à proteção da diversidade de culturas, as sementes de arroz do Suriname estão sendo coletadas e protegidas. O Crop Trust armazenou sementes do Suriname no Svalbard Global Seed Vault, um arquivo agrícola seguro na ilha ártica norueguesa de Spitsbergen.

A história do arroz Maroon é uma história de resistência e adaptação. É uma história que continua a ser escrita hoje, à medida que a comunidade Saamaka enfrenta novos desafios e continua a preservar e cultivar o legado deixado por seus ancestrais. A comunidade Saamaka está determinada a preservar sua herança agrícola. Com a ajuda do Crop Trust, uma organização sem fins lucrativos dedicada à proteção da diversidade de culturas, as sementes de arroz do Suriname estão sendo coletadas e protegidas. O Crop Trust armazenou sementes do Suriname no Svalbard Global Seed Vault, um arquivo agrícola seguro na ilha ártica norueguesa de Spitsbergen.

A história do arroz Maroon é uma história de resistência e adaptação. É uma história que continua a ser escrita hoje, à medida que a comunidade Saamaka enfrenta novos desafios e continua a preservar e cultivar o legado deixado por seus ancestrais. A comunidade Saamaka está determinada a preservar sua herança agrícola. Com a ajuda do Crop Trust, uma organização sem fins lucrativos dedicada à proteção da diversidade de culturas, as sementes de arroz do Suriname estão sendo coletadas e protegidas. O Crop Trust armazenou sementes do Suriname no Svalbard Global Seed Vault, um arquivo agrícola seguro na ilha ártica norueguesa de Spitsbergen.

A história do arroz Maroon é uma história de resistência e adaptação. É uma história que continua a ser escrita hoje, à medida que a comunidade Saamaka enfrenta novos desafios e continua a preservar e cultivar o legado deixado por seus ancestrais. A comunidade Saamaka está determinada a preservar sua herança agrícola. Com a ajuda do Crop Trust, uma organização sem fins lucrativos dedicada à proteção da diversidade de culturas, as sementes de arroz do Suriname estão sendo coletadas e protegidas. O Crop Trust armazenou sementes do Suriname no Svalbard Global Seed Vault, um arquivo agrícola seguro na ilha ártica norueguesa de Spitsbergen.

A história do arroz Maroon é uma história de resistência e adaptação. É uma história que continua a ser escrita hoje, à medida que a comunidade Saamaka enfrenta novos desafios e continua a preservar e cultivar o legado deixado por seus ancestrais. A comunidade Saamaka está determinada a preservar sua herança agrícola. Com a ajuda do Crop Trust, uma organização sem fins lucrativos dedicada à proteção da diversidade de culturas, as sementes de arroz do Suriname estão sendo coletadas e protegidas. O Crop Trust armazenou sementes do Suriname no Svalbard Global Seed Vault, um arquivo agrícola seguro na ilha ártica norueguesa de Spitsbergen.

 

Edição Atual

Noticias Relacinadas