Encontrado fóssil de lagarto marinho da era dos dinossauros

 

Cientistas dizem que descobriram fósseis pertencentes a uma espécie de lagarto marinho “assustadora” que caçava os oceanos há 66 milhões de anos.

A criatura, Khinjaria acuta, tinha cerca de 26 pés (8m) de comprimento – o mesmo que uma orca – e possuía dentes “em forma de adaga”.

Os pesquisadores disseram que a espécie teria vivido ao lado de dinossauros como o Tyrannosaurus rex e o Triceratops.

O estudo é baseado na análise de um crânio e outros restos esqueléticos encontrados em uma mina no Marrocos.

Dr. Nick Longrich, da Universidade de Bath, que liderou o estudo, escreveu que a espécie “bizarra” tinha “um rosto de demônio e dentes como facas”.

Seus dentes e mandíbula forte deram à criatura uma “aparência assustadora” e “uma terrível força de mordida”, disseram os pesquisadores.

Isso também levou a equipe a encontrar o nome perfeito para a espécie.

“A palavra khinjar é uma palavra árabe para ‘adaga’, e acuta é latim para ‘afiado’, então literalmente, ‘adaga afiada’ ou ‘faca afiada’”, acrescentou o Dr. Longrich. Khinjaria acuta é um membro de uma família de lagartos marinhos gigantes conhecidos como mosassauros, parentes distantes dos dragões de Komodo e anacondas de hoje.

Os pesquisadores acreditam que o lagarto era apenas um de uma série de predadores de topo que habitavam o Oceano Atlântico na costa do Marrocos.

“Esta é uma das faunas marinhas mais diversas vistas em qualquer lugar, em qualquer época da história, e existia pouco antes dos répteis marinhos e os dinossauros serem extintos”, disse o Dr. Longrich.

Tanto os mosassauros quanto os dinossauros se extinguiram no final do período Cretáceo, cerca de 66 milhões de anos atrás.

Sua extinção abriu os mares para baleias, focas e peixes como peixe-espada e atum. Mas também significou que, nas cadeias alimentares marinhas modernas, há menos predadores de topo.

“Parece ter havido uma grande mudança na estrutura do ecossistema nos últimos 66 milhões de anos”, disse o Dr. Longrich.

“Essa incrível diversidade de predadores de topo no Cretáceo é incomum, e não vemos isso nas comunidades marinhas modernas.

“Se há algo sobre os répteis marinhos que fez o ecossistema ser diferente, ou a presa, ou talvez o ambiente, não sabemos.

“Mas essa foi uma época incrivelmente perigosa para ser um peixe, uma tartaruga marinha ou mesmo um réptil marinho.”

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas