Experimento: Arroz cultivado com células de carne bovina é proteico e sustentável

 

Tigelas de arroz com tonalidade decididamente rosada estão prestes a fazer parte de cardápios de alimentos sustentáveis, de acordo com pesquisadores que criaram grãos de arroz com células de carne bovina e gordura de vaca cultivadas dentro deles.

Cientistas criaram o alimento experimental cobrindo grãos de arroz tradicionais em gelatina de peixe e semeando-os com células-tronco de músculo esquelético e gordura, que foram então cultivadas em laboratório.

Após cultivar o músculo, a gordura e o arroz coberto com gelatina por nove a 11 dias, os grãos continham carne e gordura por toda parte, resultando em um produto final que os pesquisadores acreditam que poderia se tornar um alimento nutritivo e saboroso.

O professor Jinkee Hong, que liderou o trabalho na Universidade Yonsei, na Coreia do Sul, cozinhou e provou o arroz cultivado com carne, que ele espera que seja uma fonte de proteína mais acessível do que a carne bovina tradicional, com uma pegada de carbono muito menor.
“Quando cozido, o arroz mantém sua aparência tradicional, mas carrega uma mistura única de aromas, incluindo um leve sabor de noz e umami, que são características da carne”, disse Hong.

“Embora não replique exatamente o sabor da carne, oferece uma experiência de sabor agradável e inovadora”, acrescentou. “Experimentamos com vários acompanhamentos e ele combina bem com uma variedade de pratos.”

O arroz é predominantemente um carboidrato com proporções menores de proteínas, gorduras, vitaminas e minerais, escrevem os cientistas na revista Matter. Integrar células animais ao arroz torna “possível garantir um suprimento alimentar suficiente”, observam, criando “uma nova refeição completa”.

O arroz híbrido é mais quebradiço do que o arroz tradicional macio e pegajoso, mas continha 8% mais proteína e 7% mais gordura. O arroz com mais células musculares tinha um odor de carne e amêndoa, enquanto o arroz com mais gordura animal cheirava mais a creme, manteiga e óleo de coco.

Segundo os cálculos dos cientistas, o arroz híbrido poderia tornar a produção de alimentos mais sustentável. Produzir 100g de proteína de carne bovina libera quase 50kg de dióxido de carbono, escrevem eles, enquanto 100g de proteína de arroz híbrido liberariam menos de 6,27kg do gás. O arroz híbrido também deve ser mais acessível, eles acrescentam, custando cerca de US$ 2,23 (R$ 11,90) por kg, em comparação com US$ 14,88 (R$ 79,20) por kg para carne bovina.

Além de tornar os alimentos mais sustentáveis e acessíveis, os pesquisadores acreditam que o arroz híbrido poderia melhorar os suprimentos de alimentos de emergência para regiões enfrentando fome e servir como rações para astronautas e militares.

Para os primeiros lotes experimentais de arroz híbrido, os pesquisadores retiraram células musculares e de gordura de gado hanwoo abatido no matadouro local. Mas a equipe está explorando suprimentos sustentáveis de células que podem ser mantidas em laboratório sem a necessidade de mais animais. Versões futuras do arroz poderiam conter outros tipos de carne ou peixe para atender a diferentes gostos e requisitos nutricionais, disse Hong.

O trabalho recebeu uma recepção mista de especialistas independentes. A professora Hanna Tuomisto, que pesquisa sistemas alimentares sustentáveis ​​na Universidade de Helsinki, duvidou que o arroz teria um grande impacto. O produto final continha 4,8g de células de carne cultivadas por kg de arroz, disse ela, o que significa que apenas 0,5% era carne e 99,5% era arroz. “O produto ainda é basicamente arroz e seria usado para substituir arroz ou outras fontes de carboidratos em uma refeição”, disse ela. “Para substituir a carne, a porcentagem de proteína no produto final precisaria ser maior.”

Mas Neil Ward, professor de desenvolvimento rural e regional da Universidade de East Anglia, disse que o arroz híbrido levantava a perspectiva de fornecer nutrientes animais com emissões de gases de efeito estufa oito vezes menores e a menos de um sexto do custo. “Essa linha de pesquisa promete o desenvolvimento de dietas mais saudáveis ​​e com menor impacto climático no futuro”, disse ele.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas