Maior cobra do mundo foi avistada nas profundezas da Floresta Amazônica.

A SUPER COBRA: Incrível momento em que a maior COBRA do mundo é descoberta por uma equipe de TV com uma fera de 26 pés de espessura como um pneu de carro filmado na água

A fera pesa impressionantes 440 libras, três vezes o peso de um humano médio, tem 26 pés de comprimento e uma cabeça do tamanho de uma humana. Esta Anaconda Verde do Norte foi encontrada pelo apresentador de vida selvagem da TV, Professor Freek Vonk, em um local remoto no Brasil.

A colossal cobra é muito maior do que a espécie conhecida anteriormente como a maior – a píton reticulada, que tem em média 20 pés e 5 polegadas de comprimento.

Até agora, apenas uma espécie de Anaconda Verde – também chamada de Anaconda Gigante – foi reconhecida na Amazônia.

A Anaconda Verde do Norte foi publicada em um estudo na revista científica Diversity em 16 de fevereiro. O biólogo holandês Professor Vonk, 40, foi filmado nadando ao lado da enorme anaconda.

Ele disse: “Essa tinha 26 pés de comprimento e pesava 440 libras.”

Ele explicou: “Junto com outros 14 cientistas de nove países, descobrimos que a maior espécie de cobra do mundo, a anaconda verde.

“Como todos nós sabemos de filmes e histórias sobre cobras gigantes – são na verdade duas espécies diferentes. As anacondas verdes encontradas no norte de sua área na América do Sul – incluindo Venezuela, Suriname e Guiana Francesa – parecem pertencer a uma espécie completamente diferente. Embora pareçam quase idênticas à primeira vista, a diferença genética entre as duas é de 5,5% e isso é enorme.

“Para colocar isso em perspectiva, humanos e chimpanzés são geneticamente diferentes um do outro em cerca de 2%.”

O Prof. Vonk acrescentou: “Demos à nova espécie o nome latino Eunectes akayima, a Anaconda Verde do Norte.

“A palavra ‘akayima’ vem de várias línguas indígenas do norte da América do Sul e significa ‘grande cobra’.”

O Prof. Vonk acrescentou: “Você pode ver no vídeo a maior anaconda que já vi, tão grossa quanto um pneu de carro, 26 pés de comprimento e pesando mais de 440 libras – com uma cabeça tão grande quanto a minha.”

O biólogo de TV também descreveu os efeitos das mudanças climáticas na região.

Ele acrescentou: “A região da Amazônia está sob forte pressão das mudanças climáticas e do contínuo desmatamento.

“Mais de um quinto da Amazônia já desapareceu, o que é mais de 30 vezes a área dos Países Baixos.

“A sobrevivência dessas icônicas cobras gigantes está inextricavelmente ligada à proteção de seu habitat natural.”

Bryan Fry, biólogo da Universidade de Queensland e co-autor do estudo, disse: “É importante, porque a recém-descrita anaconda verde do norte tem uma área muito menor do que a do sul, e isso significa que é muito mais vulnerável.”

O Professor Jesus Rivas, autor principal do estudo, explicou que eles perceberam que havia mais de uma espécie de anaconda verde há mais de 15 anos.

Junto com sua esposa, Dra. Sarah Corey-Rivas, eles começaram a analisar amostras para procurar diferenças genéticas. No entanto, só agora conseguiram publicar suas descobertas.

O Professor Rivas disse: “Sarah e eu começamos a trabalhar nisso em 2007, quando notamos pela primeira vez que havia uma grande diferença genética entre as amostras da Venezuela e algumas amostras do Peru.

“Então começamos o processo de coleta de amostras e colaboradores em toda a América do Sul e além para completar o mosaico de amostras que nos permitiu montar o estudo.

“Trabalhei em vários países com vários colegas para coletar as amostras e Sarah fez a maior parte do trabalho pesado, sequenciando genes e fazendo a análise filogenética.

“Este foi um projeto verdadeiramente internacional, olhando para a lista de autores há um da Bélgica, um da Austrália, um dos Países Baixos, um da Colômbia, um do Brasil, dois da Bolívia, dois dos EUA, três do Equador e três da Venezuela.”

Ele afirmou: “Estudo anacondas há 32 anos, então isso levanta a questão de quantas outras espécies existem que não conhecemos. Se um animal tão icônico passou despercebido por tantos anos, o que dizer dos animais e plantas menos conspícuos e menos estudados?

“Esta descoberta humilha a mente em relação à verdadeira diversidade da América do Sul.”

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas