A Descarbonização da Indústria Brasileira: Um Caminho para a Neutralidade Climática

Share This Post

A indústria brasileira está em uma jornada para se tornar neutra em carbono até 2050, um objetivo que exigirá um investimento estimado de R$ 40 bilhões, de acordo com um estudo recente da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Este investimento será direcionado para a modernização de vários setores industriais, com foco em tecnologias de combustíveis e eficiência.

O Mercado de Carbono como Viabilizador da Neutralidade Climática

O estudo da CNI sugere que o mercado de carbono pode ser um facilitador crucial para alcançar a neutralidade climática no Brasil. Este mercado envolve a negociação de permissões para emitir gases de efeito estufa, incentivando as empresas a reduzir suas emissões. Davi Bomtempo, gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, ressalta a importância de considerar a expansão de biocombustíveis e energias renováveis, além do mercado de carbono, para alcançar a descarbonização.

O Caminho para a Descarbonização

O estudo da CNI foi baseado em uma revisão de pesquisas realizadas nos últimos anos e contou com a contribuição de especialistas de cada segmento industrial. No entanto, a CNI observa que alguns setores não incluíram no cálculo os valores de investimentos indiretos necessários para aumentar a oferta de energia renovável e alternativas, como infraestruturas de portos, estradas e telecomunicações. Isso sugere que o investimento necessário para a descarbonização pode ser maior do que o inicialmente previsto.

O Compromisso do Brasil com o Acordo de Paris

O Brasil retomou a meta assumida no Acordo de Paris em 2015 de reduzir suas emissões em 48% até 2025 e em 53% até 2030. Para atingir essas metas, é consenso entre especialistas, entidades privadas e os poderes Executivo e Legislativo que o país precisa aprovar o projeto de mercado regulado de carbono atualmente em tramitação na Câmara dos Deputados.

O Futuro do Mercado de Carbono no Brasil

O PL 412/2022, que cria o Sistema Brasileiro de Comércio de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SBCE), tem como objetivo reduzir a emissão de gases. O texto foi aprovado por unanimidade na Comissão de Meio Ambiente do Senado e agora aguarda votação na Câmara. O relator da proposta, deputado Aliel Machado (PV-PR), acredita que o mercado de carbono é a principal agenda brasileira do ponto de vista ambiental.

Um estudo realizado pelo governo brasileiro em parceria com o Banco Mundial sugere que o mercado regulado de carbono tem potencial para movimentar cerca de R$ 128 bilhões em receitas no Brasil, além de impulsionar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e reduzir o desemprego.

A descarbonização da indústria brasileira é um desafio significativo, mas também uma oportunidade para modernizar a economia, aumentar a competitividade e contribuir para a luta global contra as mudanças climáticas. Com o compromisso certo e o investimento adequado, o Brasil pode se tornar um líder na transição para uma economia de baixo carbono.

spot_img

Related Posts

Divulgado o calendário de pagamentos do Bolsa Família para 2024

  Os beneficiários do Programa Bolsa Família já podem conferir...

Petrobras faz concurso para nível técnico com salário de R$ 5,8 mil

A Petrobras anunciou nesta terça-feira (26) um concurso público...

Concursos Públicos de 2024 Oferecem Mais de 54.000 Vagas em Todo o País!

Mais de 54.000 concursos públicos no país estão com...

Fique Sempre Atualizado com o Nosso Grupo de Notícias em Tempo Real no WhatsApp!

Olá, leitores da Revista Amazônia! Temos um Grupo de...

Inteligência Artificial no Combate a Pragas e Doenças do Cacau

O cultivo de cacau, a matéria-prima do chocolate, pode...
- Advertisement -spot_img