Máscara desenvolvida na USP promete melhorar o tratamento de apneia do sono

 

Pesquisadores do Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa (RCGI), um Centro de Pesquisa em Engenharia (CPE) formado pela FAPESP e Shell na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), estão desenvolvendo uma máscara mais eficaz e confortável para o tratamento da apneia do sono.

A nova máscara utiliza a mesma tecnologia empregada em um projeto sobre turbinas a gás. O diferencial deste modelo é a capacidade de prevenir os “engasgos com ar” que ocorrem com o uso do equipamento Continuous Positive Airway Pressure (CPAP), atualmente utilizado no tratamento da doença.

A apneia do sono, que afeta cerca de um terço dos brasileiros, é caracterizada por obstruções repetitivas da garganta durante o sono, resultando em pausas respiratórias. Essas interrupções podem causar doenças cardíacas devido à constante alteração da oxigenação. Nos casos moderados ou severos de apneia, a recomendação de tratamento é o uso do CPAP.

No entanto, muitos pacientes abandonam o tratamento com o CPAP devido aos engasgos causados pelo ar direcionado da boca para a cavidade nasal. Quando o engasgo ocorre, o CPAP também para de funcionar.

A nova máscara, já com pedido de patente registrado, foi projetada com uma divisória entre as cavidades nasais e bucais. Ela utiliza uma técnica de engenharia aplicada em equipamentos da indústria de gases para fazer o ar circular entre as duas cavidades, mantendo diferentes pressões do ar no nariz e na boca de forma autorregulada.

Os pesquisadores planejam agora testar o modelo de diodo fluídico em humanos. Projeções feitas em modelos geométricos indicam que a circulação do ar deve ser beneficiada. Uma demonstração do funcionamento da tecnologia pode ser vista em vídeo no canal USP Inovação no YouTube.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas