NASA se antecipa a tempestade solar que pode impactar a Terra até 2025

Tempestades solares são um fenômeno do nosso sistema solar como qualquer outro, embora venham com um risco sério. Elas podem ser belas e benignas, com imagens mostrando grandes exibições de auroras.

Elas também podem ser devastadoras, como a NASA tem alertado repetidamente, causando um caos incontável aqui na Terra. A sonda solar Parker (PSP) da agência espacial viajou com sucesso através dos ventos solares no espaço para entender melhor o fenômeno, mas ainda há muito a ser descoberto.

Os cientistas há muito tempo alertam sobre as possíveis consequências negativas dessas tempestades, talvez a maior delas seja o que foi cunhado como um “apocalipse da internet”, que poderia acontecer no próximo ano. Mas o que exatamente é um apocalipse da internet? Parece coisa de ficção científica, mas a ameaça é muito real. Simplificando, quando ocorre uma tempestade solar, campos magnéticos rasgam a atmosfera da Terra e enviam corrente através da infraestrutura feita pelo homem.

As explosões, conhecidas como ejeções de massa coronal (CMEs), podem viajar até 11.000.000 quilômetros por hora. O Sol as dispara em direção à Terra até 20 vezes por semana, dependendo de onde está em seu ciclo de atividade de 11 anos.

Ninguém em memória viva experimentou tal explosão. Um quase acerto ocorreu em 2012, e o único evento antes disso aconteceu em 1859, muito antes de os humanos se tornarem dependentes da eletricidade.

Se uma CME de escala semelhante atingisse a Terra hoje como fez naquela época, os eletrônicos em satélites em órbita seriam seriamente danificados, interrompendo sistemas de navegação e comunicação, e crucialmente a sincronização de tempo do GPS de que a internet depende para funcionar.

As repercussões seriam graves. Sem energia e internet, a sociedade pararia.

Alguns modelos de previsão sugerem que tal evento poderia ocorrer já em 2025, quando o Sol entra em um período particularmente ativo conhecido como “máximo solar”.

Sangeetha Abdu Jyothi, professora de ciência da computação na Universidade da Califórnia em Irvine, cunhou o termo “apocalipse da internet” em seu artigo científico intitulado, Super Tempestades Solares: Planejando um Apocalipse da Internet.

“Nunca experimentamos um dos eventos extremos, e não sabemos como nossa infraestrutura responderia a isso”, disse ela ao The Washington Post. “Nossos testes de falha nem mesmo incluem tais cenários.”

Ela observou que uma tempestade solar poderia até interferir em coisas como cabos de comunicação submarinos, o que poderia interromper a conectividade de longa distância.

As latitudes do norte do planeta são particularmente vulneráveis a tal atividade solar, que acontecem a ser os lugares onde grande parte da infraestrutura da internet está concentrada. Não há como prever quanto tempo os cortes podem durar, mas os especialistas dizem que eles podem durar meses.

O impacto econômico de apenas um dia perdido para uma tempestade solar é impressionante. Nos EUA, isso representaria mais de 11 bilhões de dólares (£8,6 bilhões), de acordo com o observador da internet NetBlocks.

A bem-sucedida missão PSP da NASA encontrou uma infinidade de novas informações sobre as projeções solares do sol, o que poderia ajudar de alguma forma a evitar qualquer potencial destrutivo.

Ela identificou um fenômeno conhecido como “fluxos de supergranulação” dentro de buracos coronais, onde campos magnéticos emergem e acredita-se serem o marco zero para ventos solares de alta velocidade, e são normalmente encontrados nos pólos do Sol durante períodos tranquilos.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas