O Futuro Incerto: Desafios Climáticos e a Era da Desinformação

Em um mundo cada vez mais interconectado, somos confrontados com uma dupla de crises perigosas: mudanças climáticas e conflitos. Essas ameaças são agravadas por uma rápida mudança tecnológica e incerteza econômica.

A Dupla Crise

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, mais da metade dos especialistas globais antecipam um grau significativo de instabilidade e um risco moderado de catástrofes globais nos próximos dois anos. Outros 30% veem as coisas piorando ainda mais, prevendo catástrofes globais iminentes e um período “tempestuoso” ou “turbulento” à frente.

Ameaça da Desinformação

A desinformação e a desinformação são identificadas como a ameaça de curto prazo mais severa no relatório de 2024. A crescente preocupação com a desinformação e a desinformação é em grande parte impulsionada pelo potencial da IA, nas mãos de atores mal-intencionados, para inundar os sistemas de informação globais com narrativas falsas.

Nos próximos dois anos, o relatório afirma que “atores estrangeiros e domésticos aproveitarão a desinformação e a desinformação para ampliar as divisões sociais e políticas”. Este risco é acentuado por um grande número de eleições num futuro próximo, com mais de 3 bilhões de pessoas indo às urnas em 2024 e 2025, incluindo em grandes economias como Estados Unidos, Índia e Reino Unido.

Riscos Climáticos

Em um contexto de 10 anos, os riscos relacionados ao clima contribuem com 5 das 10 principais ameaças à medida que o mundo se aproxima ou ultrapassa os “pontos de inflexão climática”. O risco representado por eventos climáticos extremos encabeça a lista, pois as nações permanecem despreparadas para o “desencadeamento de mudanças de longo prazo, potencialmente irreversíveis e auto-perpetuantes em sistemas planetários selecionados [que] poderiam ser ultrapassados em ou antes de 1,5C de aquecimento global, atualmente previsto para ser alcançado no início dos anos 2030”.

Com a diminuição da confiança, a polarização política e uma paisagem geopolítica volátil, o potencial de cooperação para enfrentar riscos globais está sob pressão. O relatório descobre que as soluções podem surgir como resultado de uma cooperação mais localizada por parte das nações, corporações e até mesmo cidadãos individuais.

No entanto, dada a escala dos desafios econômicos, políticos e ambientais que o mundo está enfrentando, o relatório conclui que, “a colaboração transfronteiriça em escala continua sendo crítica para riscos que são decisivos para a segurança e prosperidade humanas”.

Este será um foco na Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial de 2024 em Davos, Suíça, que ocorrerá sob o tema Reconstruindo a Confiança. O programa pede um espírito de “voltar ao básico” de diálogo aberto e construtivo entre líderes de governo, negócios e sociedade civil.

Edição Atual

Noticias Relacinadas