O Impacto Ambiental da Pesca de Arrasto

Quase um quarto dos frutos do mar capturados na natureza do mundo é colhido por arrastões de fundo, navios de pesca que arrastam redes pesadas sobre o fundo do mar. Esses barcos pescam em todo o mundo e apoiam inúmeras cadeias globais de abastecimento de frutos do mar. No entanto, os críticos os classificaram como não amigáveis ao meio ambiente.

Danos aos Ecossistemas Marinhos

Especialistas em conservação dizem que os arrastões podem danificar ecossistemas marinhos sensíveis, como corais de águas profundas, e coletar multidões de espécies não alvo como captura acessória. A pesquisa também sugere que os arrastões podem perturbar os depósitos de carbono nos sedimentos do fundo do mar, minando a capacidade do oceano de agir como um sumidouro de carbono.

Emissões de Carbono da Pesca de Arrasto

Um novo estudo publicado em 18 de janeiro na Frontiers in Marine Science tenta responder a pelo menos uma pergunta não resolvida: quanto carbono a pesca de arrasto coloca na atmosfera?

A pesquisa se baseia em um estudo de 2021 publicado na Nature que calculou que a pesca de arrasto gera cerca de 1 gigatonelada, ou 1 bilhão de toneladas métricas, de carbono a cada ano – quase equivalente às emissões anuais da indústria global de aviação. O novo estudo leva as coisas um passo adiante. Ele recalcula a quantidade de carbono liberado ajustando os modelos do artigo da Nature.

Impacto do Carbono Liberado

O estudo quantifica quanto desse carbono escapa do mar para a atmosfera, somando-se às quantidades maciças de dióxido de carbono produzidas pelo homem que já estão lá e que estão causando o aquecimento global. Ele descobriu que 55-60% desse carbono chegará à atmosfera em cerca de nove anos. Isso é quase o dobro das emissões anuais da combustão de combustível por toda a frota pesqueira global de cerca de 4 milhões de navios, de acordo com os autores. Os 40-45% restantes do carbono agitado permaneceriam dissolvidos na água do mar, diz o estudo. Lá, contribuiria para a acidificação dos oceanos, que compromete notavelmente a capacidade de muitos organismos na base da cadeia alimentar de formar conchas e já está em níveis recordes em todo o mundo.

Implicações Políticas

“Sob a política climática atual, coisas como mercados de carbono (…) realmente funcionam com emissões atmosféricas”, disse a autora principal Trisha Atwood, ecologista aquática da Universidade Estadual de Utah e do programa Mares Prístinos da National Geographic, à Mongabay. “Se esse CO2 tivesse acabado de permanecer na água, então, do ponto de vista político, as pessoas realmente não se importavam (…) e não pudemos responder se eles deveriam ou não se importar porque não tínhamos esse número.”

Os pesquisadores descobriram que as emissões de carbono da pesca de arrasto de fundo, que pode produzir grandes plumas de sedimentos visíveis do espaço, foram particularmente altas para algumas partes do mundo, incluindo os mares do Leste da China, Báltico, Norte e Groenlândia. Eles também sugerem que a atividade de arrasto e a consequente liberação de carbono podem ser elevadas no Sudeste Asiático, na Baía de Bengala, no Mar Arábico, em partes da Europa e no Golfo do México, embora não haja dados suficientes sobre a atividade de arrasto para essas partes do mundo.

Essa falta de dados pode ser porque muitas embarcações não usam sistemas de rastreamento por satélite, apesar de muitas leis nacionais e internacionais exigirem que o façam.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas

×