Poluição do Ar: Uma Ameaça Silenciosa à Saúde Cerebral

O AVC é a segunda principal causa de morte globalmente, representando cerca de 11% das mortes. Além disso, cerca de 50 milhões de pessoas vivem com demência, um número que se espera que suba para cerca de 150 milhões até 2050. Embora seja fácil descartar isso como uma consequência natural de uma população que está envelhecendo, pesquisas recentes sugerem que a poluição do ar pode desempenhar um papel significativo nessas estatísticas alarmantes.

O Estudo

Um estudo recente analisou a saúde de mais de 413.000 pessoas que participaram do projeto UK Biobank. Todos tinham entre 40 e 69 anos e estavam livres de demência, câncer ou AVC no início do estudo. A saúde deles foi acompanhada, focando na associação entre poluição do ar e a transição de ser saudável para ter um AVC, demência ou ambos.

Resultados

Ao longo de 11 anos, 6.484 pessoas tiveram um AVC, 3.813 desenvolveram demência e 376 tiveram um AVC e desenvolveram demência. Tendo permitido outros fatores de risco, os pesquisadores encontraram relações entre a exposição à poluição do ar a longo prazo e a aquisição de demência, bem como o desenvolvimento de demência após um AVC.

Essas novas descobertas ajudam a esclarecer como a poluição do ar desempenha um papel importante nas transições dinâmicas de AVC e demência, mesmo em concentrações abaixo dos padrões atuais de qualidade do ar do Reino Unido. O alvo para a poluição por partículas sob a Lei do Meio Ambiente é o dobro da diretriz da Organização Mundial da Saúde e deve ser alcançado até 2040. Não atender à diretriz da OMS o mais rápido possível significa que milhares de pessoas estão no caminho para desenvolver doenças graves, como AVC e demência, simplesmente porque não conseguem respirar ar limpo.

Edição Atual

Noticias Relacinadas