Um Ano de Expedições na Amazônia com Rolex e National Geographic – Perpetual Planet Amazon

Desvendando os Segredos do Coração Verde do Planeta

Enquanto a floresta tropical atrai todos os holofotes, as vias fluviais da Amazônia, estendendo-se por 7.000 quilômetros, permaneceram em grande parte sem investigação científica. Contudo, isso está mudando graças às equipes multidisciplinares de ecologistas, climatologistas, cartógrafos, geólogos e conservacionistas que estão imersos na Expedição Perpetual Planet Amazon, uma colaboração única entre a Rolex e a National Geographic. Guiadas pela sabedoria ancestral das comunidades locais, essas equipes têm explorado diferentes regiões da bacia do Rio Amazonas para decifrar suas complexidades.

O explorador e fotógrafo da National Geographic, Thomas Peschak, tem estado na linha de frente, acompanhando cientistas e exploradores nas Expedições Perpétuas do Planeta Amazônia da Rolex e da National Geographic Society, lançando luz sobre a diversidade e interconexão entre as pessoas e a vida selvagem ao longo da bacia do Rio Amazonas.

A jornada está sendo documentada por Thomas Peschak, explorador e fotógrafo da National Geographic. Com uma trajetória que passa por biologia marinha e fotojornalismo de vida selvagem, Peschak é a pessoa ideal para narrar essa expedição. Enquanto seu trabalho anterior se centrava nos oceanos, agora ele se lança em mergulhos e escaladas rochosas para capturar o Rio Amazonas desde sua nascente nos Andes até a confluência com o Oceano Atlântico.

“DA CORDILHEIRA DOS ANDES AO ATLÂNTICO, OS 6.400 KM DO RIO AMAZÔNIA E SUA MALHA DE AFLUENTES CONSTITUEM A ESSÊNCIA DA REGIÃO. JUNTOS, ELES CONSTRUÍRAM UMA REDE AQUÁTICA COLOSSAL COM DIMENSÕES EQUIVALENTES À DA AUSTRÁLIA.” Thomas Peschak, explorador e fotógrafo da National Geographic

No decorrer do último ano, todas as equipes fizeram progressos notáveis, estampando as manchetes com uma história fascinante.

Documentação dos Primeiros Manguezais de Água Doce do Mundo

Nas primeiras semanas de exploração no delta amazônico, a equipe liderada pelo explorador da National Geographic, Angelo Bernardino, fez uma descoberta extraordinária: os primeiros manguezais de água doce conhecidos do mundo. Enquanto a maioria dos manguezais cresce parcialmente submersa em águas salgadas nas zonas de maré ao longo da costa, a floresta de mangue que Bernardino descobriu abriga uma combinação única de espécies de árvores adaptadas a baixas salinidades. Essa descoberta ampliou em 20% a área de manguezais conhecidos na região e marca o pioneirismo da Rolex e da National Geographic Perpetual Planet Amazon Expedition.

O explorador da National Geographic, Thiago Silva, está lançando luz sobre outro fenômeno da bacia amazônica: as inundações regulares que submergem as florestas ao longo de suas margens. Utilizando drones, varredura a laser e medições detalhadas de árvores, Silva criou os primeiros modelos 3D das florestas alagadas da bacia amazônica. Seu trabalho contribuirá para prever as respostas ao estresse hídrico no futuro. Ao lado de Bernardino e de Margaret Owuor, exploradora da National Geographic, eles exploram os manguezais únicos do Delta do Amazonas.

“A EXPEDIÇÃO ROLEX E NATIONAL GEOGRAPHIC PERPETUAL PLANET AMAZON REUNIU PESSOAS COM EXPERIÊNCIAS DIVERSAS, DE CAMPOS DIFERENTES, O QUE ENRIQUECEU NOSSA VIAGEM.” Angelo Bernardino, ecologista marinho e explorador da National Geographic

O Retorno das Comunidades Locais a Milhares de Residentes do Rio

Outras equipes se concentram nos habitantes únicos das hidrovias amazônicas e em sua coexistência com as comunidades humanas.

Fernando Trujillo, explorador da National Geographic, tem monitorado o rápido declínio dos botos-cor-de-rosa e trabalhado com as comunidades locais para uma coexistência harmoniosa entre os pescadores e esses golfinhos, frequentemente vistos como concorrentes na pesca local. Até o momento, ele percorreu quase 1.300 quilômetros do rio em quatro países diferentes, estimando uma população de cerca de 1.400 dos icônicos botos-cor-de-rosa da Amazônia na região.

Laureado pelo Prêmio Rolex de Empreendedorismo, João Campos-Silva, e sua colega exploradora da National Geographic, Andressa Scabin, têm trabalhado com comunidades locais para marcar e rastrear espécies de água doce de grande porte e superexploradas, como tartarugas gigantes do rio Amazonas, peixes-boi, botos-cor-de-rosa, ariranhas e jacarés-negros, a fim de proteger esses animais. Eles se tornaram os primeiros a marcar um pirarucu, o maior peixe de água doce do mundo, com GPS. Seu trabalho na conservação comunitária resultou na recuperação notável da vida selvagem, incluindo a soltura de quase 200 mil filhotes de tartarugas gigantes em 2022.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas