A Credibilidade do Acordo da COP28: Uma Perspectiva dos Países em Desenvolvimento

O acordo da COP28, que visa fazer a transição dos combustíveis fósseis, está sob escrutínio. A credibilidade do acordo depende dos maiores poluidores históricos do mundo, como EUA, Reino Unido e Canadá, repensando os planos atuais de expandir a produção de petróleo e gás.

O Desafio da Transição

Pedro Pedroso, presidente cessante do bloco de países em desenvolvimento G77 mais China, alertou que o acordo histórico feito nas negociações climáticas do ano passado no Dubai corre o risco de falhar. “Alcançamos alguns resultados importantes na COP28, mas o desafio agora é como traduzimos o acordo em ações significativas para as pessoas”, disse Pedroso.

A Expansão dos Combustíveis Fósseis

Os países desenvolvidos, que são os emissores históricos mais importantes, não têm políticas que estão se afastando dos combustíveis fósseis. Pelo contrário, estão se expandindo. Esses países também devem fornecer financiamento adequado para que as nações mais pobres façam a transição e se adaptem à crise climática.

Em Dubai, Sultan Al Jaber, presidente da COP28 e chefe da companhia petrolífera nacional dos Emirados, foi submetido a um escrutínio generalizado. Os Emirados Árabes Unidos são o sétimo maior produtor de petróleo do mundo, com a quinta maior reserva de gás.

A Responsabilidade dos Países Desenvolvidos

Os EUA foram de longe o maior produtor de petróleo e gás do mundo no ano passado, estabelecendo um novo recorde, durante um ano que foi o mais quente já registrado. EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália e Noruega respondem por 51% da expansão total planejada de petróleo e gás até 2050, de acordo com pesquisa da Oil Change International.

A Perspectiva dos Países em Desenvolvimento

O grupo G77 mais a China é o maior bloco que opera nas negociações climáticas da ONU. A coalizão diversificada inclui os países mais populosos do mundo e as principais economias emergentes, como Índia, China, Brasil e Indonésia; produtores significativos de combustíveis fósseis, como Arábia Saudita, Venezuela e Nigéria; e algumas das nações mais vulneráveis ao clima do mundo, como Bangladesh, Vanuatu e Iêmen.

Quando se trata de fazer a transição para longe dos combustíveis fósseis, os países desenvolvidos devem ir primeiro, começar imediatamente, interromper os planos de expansão e fornecer assistência financeira justa para que o resto do mundo possa trabalhar para os mesmos fins. O termo técnico para isso é responsabilidade comum, mas diferenciada (CBDR), e está estabelecido dentro dos acordos de Paris. No entanto, os países em desenvolvimento enfrentam um déficit de trilhões de dólares, o que os impede de implementar medidas de mitigação e adaptação à medida que a crise climática se aprofunda.

Edição Atual

Noticias Relacinadas