A disponibilidade de CO2 no mundo para 1,5°C, é menor do que se pensava

A quantidade de CO2 que o mundo pode emitir e ainda limitar o aquecimento a 1,5°C é muito menor do que se pensava anteriormente e poderia ser consumida em seis anos com os atuais níveis de poluição, de acordo com uma pesquisa publicada recentemente

Os cientistas disseram que o “orçamento de carbono” revisto significava que a humanidade tinha agora mais probabilidades de ultrapassar o limite de temperatura mais seguro do Acordo de Paris de 1,5 graus Celsius desde a era pré-industrial.

“A janela para evitar 1,5 graus de aquecimento está a diminuir, tanto porque continuamos a emitir emissões como devido à nossa melhor compreensão da física atmosférica”, disse o principal autor do estudo, Robin Lamboll, do Imperial College London.

Mas com os impactos climáticos a aumentarem à medida que o aquecimento aumenta, os investigadores sublinharam que as descobertas fazem com que valha a pena lutar por cada fracção de grau.

“Não é que a luta contra as alterações climáticas esteja perdida após seis anos”, disse Lamboll, acrescentando, no entanto, que se não houvesse uma “forte trajectória descendente” até então, seria tarde demais para esse limite de 1,5 graus.

Os relatórios mais recentes do painel de peritos climáticos do IPCC da ONU afirmam que, para manter a temperatura de 1,5ºC em jogo, o mundo teria um orçamento de carbono de cerca de 500 gigatoneladas, a partir de 2020, alertando que as emissões teriam de ser reduzidas para metade até 2030.

Esta nova avaliação, que se centra no principal gás com efeito de estufa, o CO2, calculou que o orçamento diminuiu agora para 250 gigatoneladas, medidas desde o início de 2023.

O estudo, publicado na revista Nature Climate Change, foi apresentado como uma atualização dos números do IPCC, incorporando novas expectativas para o papel de outros poluentes, particularmente os impactos de arrefecimento dos aerossóis – emitidos com combustíveis fósseis que aquecem o planeta.

Entretanto, as emissões permanecem teimosamente elevadas, apesar de uma ligeira queda no início da pandemia de Covid-19, e rondam as 40 gigatoneladas por ano.

As conclusões surgem um mês antes das negociações climáticas cruciais da ONU nos Emirados Árabes Unidos, encarregadas de salvar os objetivos do acordo de Paris, depois de a última ronda de relatórios do IPCC ter deixado claro que o mundo estava longe do caminho certo.

O coautor Joeri Rogelj, também do Imperial College London, disse que as opções de alta probabilidade para limitar o aquecimento a 1,5ºC – 50% ou mais – “desapareceram”.

“Isso não significa que estamos fora de controle para três ou quatro graus, mas significa que as melhores estimativas sugerem que estaremos acima de 1,5 de aquecimento global”, disse ele.

– Líquido zero em 2034? –

A temperatura média da Terra já aumentou quase 1,2ºC, causando uma cascata de extremos climáticos mortais e dispendiosos.

Embora as temperaturas este ano, impulsionadas pelo fenómeno climático El Nino, possam atingir uma média de 1,5ºC, a meta de Paris é medida ao longo de um período de décadas.

O IPCC disse que a temperatura de 1,5°C poderá ser ultrapassada em meados da década de 2030, com os cientistas alertando que isso poderá desencadear perigosos pontos de inflexão nos frágeis sistemas de suporte à vida da Terra.

O principal objectivo do acordo de Paris era limitar o aquecimento a “bem abaixo” dos 2°C, mas com as emissões de gases com efeito de estufa ainda em níveis recordes, o mundo está actualmente no caminho de aquecer 2,4°C ou mais até ao final do século.

Lamboll disse que os pesquisadores também calcularam 2ºC como “último recurso” e descobriram que o orçamento para uma chance de 50% de limitar o aquecimento a esse limite era de 1.220 gigatoneladas.

Para aumentar as probabilidades para 90 por cento, o orçamento cai para 500 gigatoneladas, ou cerca de 12 anos com as emissões actuais.

O estudo deverá constituir uma “leitura desconfortável” para os decisores políticos, afirmou um comentário publicado na revista Nature Climate Change por Benjamin Sanderson, do Centro Norueguês de Investigação Climática e Ambiental Internacional, que não esteve envolvido na investigação.

Ele disse que o novo orçamento de carbono significaria que o mundo precisaria atingir emissões “net zero” até 2034, e não em meados do século, como está previsto nas políticas climáticas em todo o mundo.

Rogelj disse que o IPCC já reconheceu incertezas no cálculo do orçamento de carbono restante e deu uma chance em três de que poderia ser tão baixo quanto sugere o último estudo.

“Uma chance em três está longe de ser inesperada, é como jogar roleta russa com duas balas. Poucas pessoas ficarão surpresas se alguém levar um tiro com tais probabilidades”, disse ele.

Edição Atual

Noticias Relacinadas