Águas Subterrâneas: A Chave para a Segurança Hídrica

Share This Post


As águas subterrâneas representam uma impressionante parcela de 97% de toda a água doce líquida do planeta. Essa fonte vital é a base da segurança hídrica de muitos países. Na Europa, por exemplo, cerca de 65% do abastecimento de água provém do subsolo. Em alguns países, como Alemanha (75%) e Dinamarca (100%), esse número é ainda maior. No entanto, no Brasil, apenas 18% dos municípios dependem principalmente dessa fonte para seu abastecimento.

Previsibilidade das Estiagens

“As estiagens são previsíveis. Cada vez mais, sabemos quando e onde vão ocorrer. O que temos de fazer é nos preparar, investindo em infraestrutura e gestão para que a estiagem não vire crise hídrica”, disse Ricardo Hirata, professor do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (IGc-USP).

Aquíferos: Reservatórios Naturais

Segundo Hirata, um passo importante que pode ser adotado no Brasil para evitar futuras crises hídricas é contar mais com as águas subterrâneas. “Aquíferos são grandes caixas d’água que a natureza nos deu e devemos utilizar de forma apropriada. Eles podem receber pequenos ingressos de água, mas ficar vários anos sem receber e não haverá problema”.

Água e Desenvolvimento Sustentável

A água é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas e está relacionada a vários outros objetivos, como a redução da fome e da desigualdade. Esse tema é central na condição de vida das pessoas e do ponto de vista econômico, da agricultura, da indústria e das populações, sejam das cidades ou das áreas rurais.

Diversificação das Fontes Hídricas

Rodrigo Lilla Manzione, professor da Faculdade de Ciências, Tecnologia e Educação da Universidade Estadual Paulista (FCTE-Unesp), em Ourinhos, concorda com Hirata que é preciso diversificar as fontes para se prevenir de crises hídricas.

A Bacia do Paranapanema

A bacia do Paranapanema abastece 247 municípios, 115 no Estado de São Paulo e 132 no Paraná, uma população de quase 5 milhões de pessoas. A maior parte da vegetação nativa foi removida e, nos últimos anos, houve um aumento da atividade agrícola nas cabeceiras. A bacia possui ainda nove barragens de geração de energia hidrelétrica.

Saneamento e Legislação

Há ainda um problema sério de saneamento, com baixos níveis de coleta de esgoto em muitas cidades da bacia, que lançam esgoto in natura nos rios. Para Luciana Cordeiro de Souza Fernandes, professora da Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas (FCA-Unicamp), toda legislação nesse sentido deve ter “o sustentáculo da ciência”.

Para Hirata, o fato é que longos períodos de estiagem são esperados por conta das mudanças climáticas globais e os rios serão os grandes afetados. “As cidades não devem colocar todos os ovos no mesmo cesto, mas pensar em opções variadas, como águas superficiais e subterrâneas, além de água de reúso para atividades como rega de plantas, descargas e refrigeração, sobrando água potável para a população, sobretudo os mais pobres”.


spot_img

Related Posts

Máquina de colher açaí por controle remoto é a sensação do Festival do Açaí em Belém

Colhedora de açaí por controle remoto Um equipamento inovador, desenvolvido...

Lei Rouanet de Incentivo à Reciclagem

Lei nº 14.260/2021 Em um movimento pioneiro, o Brasil sancionou...

Os países mais inteligentes do mundo, de acordo com o QI

O Quociente de Inteligência (QI), uma métrica desenvolvida no...

Pirarucu: Uma Ameaça e Oportunidade nos Rios da Amazônia

 Guillermo Otta Parum, um pescador com mais de meio...

Modelo de Cabovias da Colômbia Podem Impulsionar a Produção de Açaí no Brasil

Uma missão visionária liderada por empresários e especialistas paraenses...

Pé-de-Meia já está no Jornada do Estudante

O Ministério da Educação (MEC) disponibilizou, nesta quarta-feira, 20...
- Advertisement -spot_img