Avançando na Paridade de Gênero com uma Abordagem Global

A desigualdade de gênero é um problema global que custa ao mundo aproximadamente US$ 12 trilhões em Produto Interno Bruto (PIB) global, com alguns países experimentando uma perda de até 35%. Com o custo da desigualdade econômica tão alto, não podemos esperar os estimados 169 anos que serão necessários para fechar a lacuna econômica de gênero. Esta é uma das quatro dimensões que tem sido medida pelo Relatório Anual Global de Disparidade de Gênero do Fórum Econômico Mundial desde 2006.

Impacto da Pandemia

O progresso no fechamento dessa lacuna foi ainda mais prejudicado pela pandemia de COVID-19, agravando o impacto sobre as mulheres na liderança e as disparidades de gênero nos ganhos.

Aceleradores de Paridade de Gênero

Para acelerar o progresso, o Fórum tem trabalhado por meio dos Aceleradores de Paridade de Gênero, que melhoraram o acesso a oportunidades econômicas para 867.318 mulheres por meio de novas leis e políticas de local de trabalho que abordam as disparidades de gênero na força de trabalho, remuneração e liderança.

Atualmente, as aceleradoras são sediadas na Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Honduras, México, Panamá – todas em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento – Egito, Jordânia, Cazaquistão, Quênia e Japão.

Trabalhando com o Setor Privado

Globalmente, as aceleradoras estão trabalhando com 1.265 parceiros do setor privado para fechar as lacunas de gênero em sua força de trabalho e operações. Por exemplo, mais de 180 empresas no Chile foram engajadas e empregam coletivamente 130.000 mulheres locais – 7% das assalariadas do setor privado.

Empresas inscritas no programa de aceleração de três anos no Chile – como Accenture, Cargill, IBM, Invest Chile, LatAm Airlines, Microsoft, Nestlé, PwC, SAP, Siemens e Unilever – viram a representação da força de trabalho feminina aumentar para 41%, quase 10 pontos percentuais acima da média nacional (31,7% em janeiro de 2019). Eles também relataram uma redução significativa de 37,5% na disparidade salarial entre homens e mulheres.

No Japão, a aceleradora trabalha com mais de 300 empresas da Coalizão de Líderes Masculinos para o Empoderamento das Mulheres para resolver suas disparidades salariais como parte dos novos requisitos de transparência salarial do governo. Na Jordânia, a aceleradora trabalha com o setor privado para implementar políticas de assédio sexual e procedimentos de denúncia e melhorar o acesso a vias legais para as vítimas após a nova legislação antiassédio sexual do país.

Políticas e Legislação Nacionais

Os aceleradores de paridade de gênero também obtiveram ganhos no avanço e no apoio à legislação nacional que reduz as disparidades de gênero. O modelo de colaboração público-privado fornece uma plataforma para consulta público-privada sobre a nova legislação e envolve o setor privado na sua implementação e implementação.

Por exemplo, o Acelerador de Paridade de Gênero do Equador, implementado pelo governo em parceria com o Fórum e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, apoiará o setor privado a cumprir os requisitos estabelecidos na recém-aprovada Lei da Economia Violeta do Equador, expandindo significativamente as funções do setor privado e os incentivos para reduzir as disparidades de gênero da força de trabalho em termos de remuneração, liderança, licença parental e cuidados infantis.

No Panamá, onde o sucesso legislativo inclui regras sobre representação mínima de mulheres nos conselhos de administração e igualdade salarial, o grupo de liderança intersetorial da aceleradora foi formalizado como Conselho Nacional para a Paridade de Gênero por meio de um decreto executivo; Ele servirá como um mecanismo oficial.

A desigualdade de gênero é um problema global que requer uma solução global. Com a colaboração entre governos, setor privado e organizações internacionais, podemos acelerar o progresso e garantir um futuro mais igualitário para todos.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas

×