Calor extremo provavelmente causará próxima extinção em massa

A investigação, apresenta os primeiros modelos climáticos de supercomputadores para um futuro distante e demonstra como os extremos climáticos se intensificarão dramaticamente quando os continentes do mundo eventualmente se fundirem para formar um supercontinente quente, seco e em grande parte inabitável, publicada na Nature Geoscience.

As descobertas projetam como essas altas temperaturas deverão aumentar ainda mais, à medida que o Sol se torna mais brilhante, emitindo mais energia e aquecendo a Terra.

Os processos tectónicos, que ocorrem na crosta terrestre e resultam na formação de supercontinentes, também levariam a erupções vulcânicas mais frequentes, que produzem
enormes libertações de dióxido de carbono na atmosfera, aquecendo ainda mais o planeta. Os mamíferos, incluindo os humanos, sobreviveram historicamente graças à sua capacidade de se adaptarem aos extremos climáticos, especialmente através de adaptações como a pele e a hibernação no frio, bem como curtos períodos de hibernação em clima quente.

Embora os mamíferos tenham evoluído para reduzir o seu limite de sobrevivência à temperatura fria, a sua tolerância superior à temperatura geralmente permaneceu constante. Isto torna a exposição ao calor excessivo prolongado muito mais difícil de superar e as simulações climáticas, se realizadas, acabariam por revelar-se insustentáveis. A pesquisa foi liderada pela Universidade de Bristol e contou com a colaboração da Universidade de Leeds.

A equipa internacional de cientistas aplicou modelos climáticos, simulando tendências de temperatura, vento, chuva e humidade para o próximo supercontinente – chamado Pangea Ultima – que deverá formar-se nos próximos 250 milhões de anos. Para estimar o nível futuro de CO2, a equipa utilizou modelos de movimento de placas tectónicas, química e biologia dos oceanos para mapear entradas e saídas de CO2.

Os futuros números de CO2 foram calculados por um grupo de pesquisa da Universidade de Leeds, liderado pelo professor Benjamin Mills, da Escola de Terra e Meio Ambiente de Leeds. Ele disse: “Acreditamos que o CO2 poderá aumentar de cerca de 400 partes por milhão (ppm) hoje para mais de 600 ppm em muitos milhões de anos no futuro. Claro, isto pressupõe que os humanos deixarão de queimar combustíveis fósseis, caso contrário veremos esses números muito, muito mais cedo.”

Embora as alterações climáticas e o aquecimento global induzidos pelo homem sejam provavelmente uma causa crescente do stress térmico e da mortalidade em algumas regiões, a investigação sugere que o planeta deverá permanecer em grande parte habitável até que esta massa terrestre sísmica mude num futuro distante. Mas quando o supercontinente se formar, os resultados indicam que apenas algo entre 8% e 16% da terra seria habitável para mamíferos.

O autor principal, Alexander Farnsworth, pesquisador associado sênior da Universidade de Bristol, disse: “O supercontinente recém-surgido criaria efetivamente um golpe triplo, compreendendo o efeito de continentalidade, sol mais quente e mais CO2 na atmosfera, de aumento de calor para grande parte do mundo. o planeta. O resultado é um ambiente principalmente hostil, desprovido de fontes de alimento e água para os mamíferos. “Temperaturas generalizadas entre 40 e 50 graus Celsius, e extremos diários ainda maiores, agravados por elevados níveis de humidade, acabariam por selar o nosso destino. Os humanos – juntamente com muitas outras espécies – morreriam devido à sua incapacidade de libertar esse calor através do suor, arrefecendo os seus corpos.”

A coautora, Eunice Lo, pesquisadora em Mudanças Climáticas e Saúde na Universidade de Bristol, disse: “É de vital importância não perder de vista a nossa atual crise climática, que é resultado das emissões humanas de gases de efeito estufa.

Embora prevejamos um planeta inabitável dentro de 250 milhões de anos, hoje já vivemos um calor extremo que é prejudicial à saúde humana. É por isso que é crucial atingir emissões líquidas zero o mais rápido possível”.

Farnsworth, também professor visitante do Sistema Terrestre, Meio Ambiente e Recursos do Planalto Tibetano (TPESER), do Instituto de Pesquisa do Planalto Tibetano da Academia Chinesa de Ciências, disse: “As perspectivas no futuro distante parecem muito sombrias. Os níveis de dióxido de carbono podem duplicar os níveis actuais. Com o Sol também a emitir cerca de 2,5% mais radiação e o supercontinente localizado principalmente nos trópicos quentes e húmidos, grande parte do planeta poderá enfrentar temperaturas entre 40 e 70 °C.

“Este trabalho também destaca que um mundo dentro da chamada ‘zona habitável’ de um sistema solar pode não ser o mais hospitaleiro para os humanos, dependendo se os continentes estão dispersos, como temos hoje, ou num grande supercontinente”.

Além disso, a pesquisa ilustra a importância da tectônica e dos layouts continentais na condução de pesquisas em planetas além do nosso sistema solar, chamados exoplanetas. Embora a Terra ainda esteja dentro da zona habitável dentro de 250 milhões de anos, para os mamíferos a formação de um supercontinente com elevado dióxido de carbono tornará a maior parte do mundo inabitável. As descobertas sugerem que o layout da massa terrestre de um mundo distante pode ser um fator-chave para determinar o quão habitável ele é para os humanos.

A pesquisa fez parte de um projeto financiado pelo Conselho de Pesquisa e Inovação do Ambiente Natural do Reino Unido (UKRI NERC), que analisa os climas dos supercontinentes e as extinções em massa.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas

×