Como o cérebro se reconfigura com o envelhecimento e o que isso significa para a nossa cognição

Você sabia que o seu cérebro passa por uma transformação radical à medida que você envelhece? Ao contrário de outros órgãos do corpo, que sofrem um processo de deterioração gradual, o cérebro se reorganiza internamente para se adaptar às mudanças no metabolismo e na demanda cognitiva. Neste artigo, vamos explicar como isso acontece e quais são os benefícios e os desafios dessa reconfiguração cerebral.

O que acontece com o cérebro quando envelhecemos?

O cérebro é um órgão complexo e dinâmico, que consome cerca de 20% da glicose que entra no nosso organismo. No entanto, com o avanço da idade, o cérebro vai perdendo a capacidade de absorver esse nutriente essencial para o seu funcionamento. Isso afeta a atividade dos neurônios, as células nervosas que transmitem informações entre as diferentes regiões cerebrais.

Para compensar essa perda de eficiência, o cérebro realiza uma espécie de reengenharia dos seus sistemas, alterando a forma como as redes de neurônios se conectam e se comunicam. Essa reconfiguração é mais evidente a partir dos 40 ou 50 anos, período chamado pelos médicos de “quinta década”.

Segundo uma equipe de pesquisadores da Universidade Monash, na Austrália, que analisou mais de 150 estudos sobre o envelhecimento do cérebro, esse processo é “radical” e tem efeitos sobre o processo cognitivo, ou seja, a forma como pensamos, aprendemos, lembramos e resolvemos problemas.

Quais são os benefícios da reconfiguração cerebral?

Um dos benefícios da reconfiguração cerebral é que ela permite que o cérebro se torne mais integrado, ou seja, que as diferentes redes de neurônios trabalhem de forma mais coordenada e harmoniosa. Isso pode favorecer habilidades cognitivas como a criatividade, a flexibilidade, a visão global e a sabedoria.

Além disso, em alguns casos, a reconfiguração cerebral pode criar uma espécie de resistência ao envelhecimento, fazendo com que o cérebro mantenha ou até melhore o seu desempenho em certas tarefas, como o raciocínio lógico, a tomada de decisão e a memória de longo prazo.

Esses casos são chamados de “envelhecimento bem-sucedido” ou “envelhecimento saudável”, e dependem de vários fatores, como a genética, o estilo de vida, o ambiente e a estimulação cognitiva.

Quais são os desafios da reconfiguração cerebral?

Apesar dos benefícios, a reconfiguração cerebral também traz alguns desafios, principalmente relacionados à velocidade e à precisão do processamento de informações. Isso significa que o cérebro pode demorar mais para realizar certas tarefas, como a atenção, a concentração, a memória de curto prazo e a aprendizagem de novos conteúdos.

Esses desafios podem ser agravados por fatores como o estresse, a ansiedade, a depressão, a falta de sono, a má alimentação, o sedentarismo, o isolamento social e o uso de substâncias nocivas, como o álcool e o tabaco.

Por isso, é importante cuidar da saúde física e mental, buscando hábitos saudáveis, como a prática de exercícios, a ingestão de alimentos nutritivos, a hidratação adequada, o descanso regular, o contato com a natureza, o convívio com pessoas queridas e o engajamento em atividades prazerosas e desafiadoras.

Como podemos atrasar o envelhecimento do cérebro?

O envelhecimento do cérebro é um processo natural e inevitável, mas podemos atrasá-lo e até revertê-lo, se estimularmos o nosso cérebro de forma adequada. Segundo a neurocientista Sharna Jamadar, da Universidade Monash, “o importante é conhecer os processos que ocorrem dentro da nossa mente que podem nos ajudar a compreender como podemos atrasar o envelhecimento do cérebro”.

Uma das formas de fazer isso é através da neuroplasticidade, que é a capacidade do cérebro de se modificar em resposta às experiências. A neuroplasticidade permite que o cérebro crie novas conexões entre os neurônios, fortalecendo as redes existentes e formando novas redes.

Para estimular a neuroplasticidade, é preciso desafiar o cérebro com atividades que sejam novas, variadas, complexas e significativas. Por exemplo, aprender um novo idioma, tocar um instrumento musical, fazer um curso online, ler um livro, jogar um jogo de estratégia, resolver um quebra-cabeça, fazer uma viagem, etc.

Essas atividades devem ser feitas com frequência, intensidade e duração adequadas, de acordo com o nível de dificuldade e interesse de cada pessoa. Além disso, é importante ter uma atitude positiva, curiosa e motivada, buscando sempre novos conhecimentos e experiências.

O cérebro é um órgão fascinante, que se reconfigura com o envelhecimento para se adaptar às mudanças no metabolismo e na demanda cognitiva. Essa reconfiguração tem benefícios e desafios, que podem ser potencializados ou minimizados, dependendo dos fatores genéticos, ambientais e comportamentais.

Para atrasar o envelhecimento do cérebro, é preciso estimular a neuroplasticidade, através de atividades que sejam novas, variadas, complexas e significativas. Assim, podemos manter ou melhorar o nosso desempenho cognitivo, e viver com mais qualidade de vida, saúde e felicidade.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas

×