Emissões globais de CO2 estão a caminho de atingir um máximo histórico este ano

As emissões globais de dióxido de carbono (CO2) deverão atingir um máximo histórico este ano — ilustrando a enorme escala do desafio que o mundo enfrenta na luta contra as alterações climáticas.

Os cientistas dizem que a poluição por carbono terá de ser reduzida quase para metade nesta década se o Acordo de Paris quiser cumprir o seu objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5°C (2,7°F) acima dos níveis pré-industriais.

Acrescentaram que os níveis de CO2 deverão cair cerca de 5% este ano, mas deverão aumentar até 1,5%, de acordo com dados preliminares.

Glen Peters, o cientista responsável pela investigação, disse à AFP que “seria muito improvável que as emissões diminuíssem em 2023”.

Acrescentou que as atuais projeções sugerem que as emissões de CO2 – que são geradas por tudo, desde carros e aviões até eletricidade, aquecimento e produção de alimentos – aumentarão entre 0,5% e 1,5%.

“A cada ano que passa, as emissões continuam a aumentar, tornando ainda mais difícil alcançar caminhos consistentes com Paris”, disse Peters, que é diretor de investigação do instituto de investigação climática Cicero, na Noruega.

A sua análise final será publicada em dezembro, antes de uma reunião de líderes mundiais para as negociações climáticas da ONU nos Emirados Árabes Unidos.

Espera-se que no topo da agenda esteja um debate sobre a utilização futura de combustíveis fósseis, que são o principal contribuinte para a poluição por CO2.

Mas nem tudo são más notícias.

O crescimento “espetacular” de tecnologias energéticas mais limpas e de carros elétricos significa que a procura mundial de petróleo, gás e carvão deverá atingir o pico nesta década, afirmou a Agência Internacional de Energia (AIE) no início deste ano.

No entanto, o órgão de fiscalização da energia ainda alertou que as “emissões teimosamente elevadas” durante a recuperação económica pós-pandemia e a crise energética impulsionada pela invasão da Ucrânia pela Rússia representavam um problema para combater o aquecimento global.

Peters disse que a energia limpa deveria começar a substituir a procura de combustíveis fósseis, mas acrescentou que “isto ainda não parece estar a acontecer de forma significativa, o que é decepcionante”.

07Havia esperança de que as emissões de gases com efeito de estufa atingissem o seu pico primeiro em 2015 e depois durante a pandemia de Covid-19.

No entanto, nenhuma das previsões se concretizou, com os níveis de CO2 ainda em ascensão e sem nenhum ponto de viragem à vista.

Os cientistas alertaram que se as temperaturas globais eclipsarem 1,5°C (2,7°F) acima dos níveis pré-industriais, corre-se o risco de desencadear um perigoso ponto de viragem no sistema climático.

“No entanto, aqui estamos novamente, com um novo pico em 2022, e mais um pico esperado novamente em 2023”, disse Peters.

“A minha preocupação é que estejamos a fazer metade do trabalho, cultivando energia limpa, e não fazendo a outra metade do trabalho, abandonando os combustíveis fósseis”.

Em 2022, as emissões de CO2 aumentaram 0,9 por cento, ou 321 milhões de toneladas, atingindo um novo máximo de 36,8 mil milhões de toneladas, afirmou a AIE.

Isto deveu-se em grande parte ao facto de muitos países terem regressado ao carvão  durante a crise energética global , embora o crescimento global das emissões tenha sido inferior ao temido.

O carvão – que deverá ser eliminado como fonte de energia no Reino Unido a partir de 2024 – é responsável por mais de um terço do total de emissões de carbono do mundo.

As emissões totais do carvão cresceram 1,6% ou 243 milhões de toneladas no ano passado, atingindo um novo máximo histórico de cerca de 15,5 mil milhões de toneladas.

Apesar desta perspectiva global, o Reino Unido conseguiu reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa em 2,2 por cento em 2022 , de acordo com o Gabinete de Estatísticas Nacionais ( ONS ).

Explicou que a queda foi motivada por dois factores: as casas utilizam menos combustível para aquecimento devido aos preços mais elevados da energia e o clima mais quente, pelo que é necessário menos calor.

A demanda por energia caiu para um nível não visto em 50 anos, acrescentou o ONS.

Edição Atual

Noticias Relacinadas