Mapas apavorantes mostram áreas que experimentarão temperaturas recordes este ano graças ao El Niño

Era amplamente aceite desde a década de 1950 que os aumentos da temperatura global não eram consistentes durante o dia e a noite, sendo observado um maior aquecimento noturno. No entanto, o estudo recente revela uma mudança na dinâmica: com um maior aquecimento diurno a ocorrer desde a década de 1990. Esta mudança significa que a diferença de temperatura entre o dia e a noite está aumentando, afetando potencialmente toda a vida na Terra.
O ano passado pode ter sido o mais quente já registado, mas um novo estudo alertou que o pior ainda está para vir.
Mapas aterrorizantes revelaram as áreas com maior probabilidade de serem assoladas por um calor recorde este ano, graças ao El Niño – um aquecimento incomum das temperaturas da superfície do mar que ocorre uma vez a cada poucos anos.
Na Amazónia, os fenômenos de calor extremo criam um risco acrescido de incêndios florestais provocados pela seca, semelhantes aos que destruíram vastas áreas de floresta tropical em 2019.
Os investigadores escrevem: “Este calor iminente aumenta o risco de ondas de calor marinhas durante todo o ano e aumenta a ameaça de incêndios florestais e outras consequências negativas no Alasca e na bacia amazônica”.
A Baía de Bengala, as Filipinas e o Mar das Caraíbas deverão ser atingidos por ondas de calor recorde antes de Junho deste ano, segundo especialistas da Academia Chinesa de Ciências Meteorológicas. Mas isso não quer dizer que as pessoas de outras áreas não serão afetadas. O estudo também alerta que há 90 por cento de probabilidade de que as temperaturas médias globais da superfície recordes ocorram durante o mesmo período. O El Niño-Oscilação Sul, como é tecnicamente chamado, é um dos principais impulsionadores das diferenças climáticas em todo o mundo.
Centradas principalmente no Pacífico Tropical, as águas mais quentes aumentam a temperatura média global anual da superfície, o que altera o clima em todo o mundo.
E à medida que o mundo experimenta mesmo pequenos aumentos na temperatura média, algumas regiões registam aumentos significativos durante eventos locais de calor extremo.
Este efeito é tão pronunciado que os investigadores escrevem no artigo, publicado na Scientific Reports, que é “o mais forte determinante anual da variação climática no planeta”.
Para descobrir como o El Niño afeta os picos de temperatura locais, os investigadores criaram um modelo que poderia estimar o quão quentes as áreas se tornariam durante um ano de El Niño.
Este modelo revelou a diferença entre as temperaturas médias regionais entre julho de 2023 e junho de 2024 e a linha de base de 1951-1980.
Os investigadores descobriram que, no cenário moderado, a Baía de Bengala, as Filipinas e o Mar das Caraíbas registarão máximos recordes de mais de 1,8°F (1°C) acima da média.
Contudo, num cenário de forte El Niño, os investigadores preveem que os efeitos serão ainda mais pronunciados.
Se isto se mantiver, então áreas do Alasca, da Amazónia e do Mar da China Meridional também atingirão temperaturas recordes. No Alasca, estes picos serão até 4,32°F (2,4°C) acima da média de 1951-1980.
A nível global, os investigadores descobriram que mesmo no cenário moderado havia 90 por cento de probabilidade de a temperatura média global da superfície (GSMT) bater o recorde histórico este ano.
Sob um El Niño moderado, o GSMT estará entre 1,8 e 1,98°F (1,03-1,10°C) acima da média, enquanto um evento forte verá as temperaturas subirem 1,9 a 2,16°F (1,06-1,20°C) acima dessa média.
Os investigadores escrevem: “Fortes eventos de El Niño podem fazer com que o GMST suba rapidamente, potencialmente excedendo a ambiciosa meta preferida de 1,5°C do Acordo de Paris por um curto período”.
É preocupante que estes modelos também sugerem que o mundo pode estar em maior risco de eventos climáticos extremos. No Alasca, os investigadores observam que existe o risco de derretimento dos glaciares ou do permafrost, o que pode levar ao aumento do nível do mar ou ao aquecimento numa espiral fora de controle.
Mares mais quentes também significarão um grande risco de ciclones tropicais que podem ser extremamente destrutivos em zonas costeiras baixas.
Estudos anteriores sugeriram que o aumento das temperaturas devido às alterações climáticas poderia desencadear uma onda de “megafuracões” com ventos de até 300 km/h.
Infelizmente, o modelo também sugere que serão estas zonas costeiras as mais propensas a fenómenos de calor extremo no próximo ano.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas