Plataformas de gelo da Groenlândia já perderam mais de um terço do seu volume

Num estudo publicado na Nature Communications, cientistas do CNRS, juntamente com os seus colegas dinamarqueses e americanos, estabeleceram que a maior parte deste afinamento deve-se ao aumento das temperaturas circundantes dos oceanos, o que provoca o derretimento das extensões flutuantes dos glaciares. Até agora, os glaciares desta região eram considerados estáveis, ao contrário de áreas mais sensíveis da calota polar, que começou a enfraquecer em meados da década de 1980. Localizadas no norte da Groelândia, estas plataformas de gelo desempenham um papel essencial na regulação da quantidade de gelo descarregada no oceano, agindo como enormes “barragens” congeladas. Embora a Groelândia já seja responsável por 17% da atual subida do nível do mar, qualquer enfraquecimento destas barreiras poderá levar a um aumento na quantidade de gelo libertado, acelerando novas subidas do nível da água.

Os glaciares do Norte da Groelândia albergam gelo suficiente para elevar o nível do mar em 2,1 m e há muito que são considerados estáveis. Esta parte da Groelândia é sustentada pelas últimas plataformas de gelo remanescentes do manto de gelo. Aqui, mostramos que desde 1978, as plataformas de gelo no Norte da Groenlândia perderam mais de 35% do seu volume total, três delas colapsando completamente. Para as plataformas de gelo flutuantes que permanecem, observamos um aumento generalizado nas perdas de massa das plataformas de gelo, que são dominadas por taxas de derretimento basal aumentadas. Entre 2000 e 2020, houve um aumento generalizado nas taxas de derretimento basal que acompanha de perto o aumento da temperatura do oceano.

Estas geleiras estão mostrando uma resposta dinâmica direta às mudanças na plataforma de gelo com o recuo das linhas de aterramento e o aumento da descarga de gelo. Estes resultados sugerem que, sob projeções futuras de forçamento térmico oceânico, as taxas de derretimento basal continuarão a aumentar ou permanecerão em níveis elevados, o que pode ter consequências dramáticas para a estabilidade dos glaciares da Groelândia. Estes resultados foram obtidos através de observações de campo, fotografias aéreas e dados de satélite, combinados com modelos climáticos regionais.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas

×