Projeto Inovador para Melhorar a Saúde Bucal na Amazônia

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) anunciou recentemente o início de um projeto inovador intitulado ‘Projeto Condições de Saúde Bucal e Fatores Comuns de Risco em Populações Rurais Ribeirinhas da Amazônia’. Este projeto é financiado pelo Ministério da Saúde e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), através da Chamada Pública 21/2023 sobre Estudos Transdisciplinares em Saúde Coletiva.

Parceria e Colaboração

O estudo será desenvolvido em parceria com professores da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Universidade Federal do Pará (UFPA) e Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Além disso, mestrandos, doutorandos e pós-doutorandos das três instituições estarão envolvidos ao longo de dois anos de atividades. O projeto também conta com a colaboração de pesquisadores de instituições internacionais.

Objetivos do Projeto

O trabalho será coordenado pelo Pesquisador em Saúde Pública da Fiocruz Amazônia, Fernando Herkrath. Segundo ele, a intenção não é apenas avaliar as condições de saúde bucal das populações, mas também identificar os fatores de risco comuns a outras doenças crônicas que afetam essas mesmas populações.

A pesquisa terá como público-alvo adolescentes e adultos residentes nas localidades rurais ribeirinhas a serem selecionadas. “O trabalho começará pela delimitação geográfica da nossa área de atuação para que possamos planejar a coleta de dados, que se dará por meio de idas às localidades para a avaliação da saúde bucal e da saúde geral e aplicação de questionários para identificar os comportamentos relacionados à saúde”, explica Herkrath.

Impacto Esperado

A pesquisa tem como objetivo investigar os mecanismos pelos quais os comportamentos relacionados à saúde se associam aos desfechos de interesse, mas também abordará as barreiras de acesso aos serviços de saúde. “Temos trabalhado bastante com isso e sabemos que as condições de saúde, tanto bucal quanto geral, são piores nas populações que residem em localidades rurais ribeirinhas, e que são inúmeras as dificuldades de acesso aos serviços de saúde”, afirma Fernando.

O projeto será executado a várias mãos. Na justificativa, a Fiocruz Amazônia pontua que o processo de adoecimento e cuidado em populações rurais ribeirinhas ainda é abordado de maneira incipiente pela comunidade científica, o que resulta em uma invisibilidade destas populações e na escassez de informação/conhecimento que possa nortear o planejamento de ações em saúde voltadas a essas populações.

A expectativa é que o conhecimento gerado pelo estudo seja capaz de subsidiar as políticas e ações em saúde voltadas para as populações rurais ribeirinhas, identificando possibilidades transversais e integradas de intervenção que permitam superar as barreiras de acesso a bens e serviços, bem como garantir a melhora das condições de saúde geral e bucal. Além disso, espera-se que o estudo aponte caminhos para a reorientação da atenção das equipes da ESF Fluvial e Ribeirinha por meio de um modelo que seja capaz de lidar de maneira mais eficaz com as condições crônicas não transmissíveis nessa população.

Este projeto representa um passo importante para melhorar a saúde bucal e geral das populações rurais ribeirinhas da Amazônia, e estamos ansiosos para ver os resultados positivos que ele trará.

Edição Atual

Noticias Relacinadas