Uso de tinta fria no combate ao calor urbano, avalia estudo

 

 

A crescente preocupação com o aumento das temperaturas nas áreas urbanas tem motivado a busca por soluções inovadoras para combater o fenômeno conhecido como “ilha de calor urbana”. Nesse contexto, um estudo pioneiro realizado pela Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, lança luz sobre o potencial do uso de tinta fria como uma ferramenta eficaz para mitigar o calor excessivo nas cidades.

A pesquisa, conduzida em ambiente urbano real, demonstrou que o revestimento de telhados, paredes e pavimentos com tinta fria pode reduzir significativamente a temperatura ambiente, chegando a diminuições de até 1,5 graus Celsius (°C). Isso representa um avanço significativo no enfrentamento dos desafios impostos pelo aquecimento global e seus impactos sobre o conforto e a saúde das populações urbanas.

Para avaliar os efeitos da tinta fria em larga escala, os pesquisadores selecionaram duas áreas na cidade de Singapura, onde aplicaram o revestimento em edifícios e ruas. Utilizando sensores ambientais, eles monitoraram diversas variáveis climáticas ao longo de dois meses, incluindo temperatura do ar e da superfície, movimento do ar, humidade e radiação solar.

Os resultados foram impressionantes. Durante um ciclo de 24 horas, a área revestida com tinta fria apresentou uma redução de até 30% na liberação de calor pelas superfícies construídas, traduzindo-se em uma diminuição de 2°C na temperatura durante os períodos mais quentes do dia, em comparação com a área não revestida.

Além disso, a tinta fria revelou-se altamente eficaz na reflexão da luz solar, reduzindo significativamente a absorção e emissão de calor superficial. Os telhados revestidos com essa tecnologia refletiram 50% mais luz solar e absorveram 40% menos calor durante os períodos mais quentes do dia, em comparação com os telhados convencionais.

Esses resultados promissores apontam para o potencial da tinta fria como uma solução viável e sustentável para reduzir o calor urbano e atenuar os efeitos adversos do aumento das temperaturas nas cidades. Além disso, a pesquisa destaca a importância de investimentos em inovação e tecnologia para enfrentar os desafios climáticos do século XXI, tornando nossas cidades mais habitáveis e resilientes diante das mudanças ambientais globais.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas