A Revolução Verde: Acionistas pressionam a Shell para alinhar metas de emissões com o Acordo de Paris

Em um movimento sem precedentes, 27 acionistas da Shell estão pressionando a gigante do petróleo para alinhar suas metas de emissões com o Acordo de Paris. Esses investidores, que juntos possuem cerca de 5% das ações da Shell e gerenciam mais de € 3,9 trilhões em ativos, estão pedindo uma ação climática mais forte.

Entre os investidores estão o maior fundo de pensão do Reino Unido, o National Employment Savings Trust (NEST), e a maior gestora de ativos da Europa, a Amundi. Eles concordaram em apoiar uma resolução coordenada pelos ativistas acionários holandeses Follow This, que pede que a Shell alinhe suas metas de redução de emissões de médio prazo com o Acordo de Paris de 2015.

Mark van Baal, fundador do Follow This, acredita que a Shell só mudará se mais investidores votarem a favor da mudança. Ele vê a resolução como uma maneira de colocar os pedidos de redução de emissões por empresas de energia “em primeiro plano”. Van Baal espera que os votos aumentem à medida que mais investidores sigam seus principais pares, votando pela mudança na Shell.

A Shell tem como objetivo reduzir as emissões de suas operações, conhecidas como emissões de escopo 1 e 2, em 50% até 2030. A empresa também se comprometeu a reduzir a Intensidade de Carbono Líquido – uma medida das emissões por unidade de energia vendida – de seus produtos em 20% antes do final da década e 45% até 2035.

No entanto, essas metas não cobrem suas emissões de escopo 3, que são todos os gases de efeito estufa que as empresas não geram diretamente, mas são indiretamente responsáveis em sua cadeia de valor. Para a Shell, isso inclui o uso de seus produtos pelos consumidores, que compõem a grande maioria das emissões da empresa de combustíveis fósseis.

Diandra Soobiah, chefe de investimento responsável no NEST, instou a Shell a estabelecer uma meta absoluta de emissões de escopo 3 credível. Ela acredita que isso demonstraria liderança e mostraria que a Shell está séria sobre a transição de seus negócios.

A Shell, por outro lado, argumenta que suas metas climáticas estão “alinhadas com o objetivo mais ambicioso do Acordo de Paris”. No entanto, a empresa enfrenta críticas por permitir que a gigante do petróleo compense o carbono produzido pelo petróleo e gás contra seus produtos menos poluentes.

A chance de rebelião por parte dos investidores deve crescer depois que a Shell pareceu dar uma reviravolta nos planos de reduzir a produção de petróleo e gás até 2030. A empresa argumentou que, ao vender seu interesse em um campo de petróleo no Texas em 2021, já havia atingido sua meta oito anos antes e continuaria investindo em petróleo e gás.

Este é um momento crucial na história da Shell e da indústria de petróleo e gás como um todo. A pressão dos acionistas para alinhar as metas de emissões com o Acordo de Paris pode ser um sinal de uma mudança significativa na indústria. Apenas o tempo dirá se a Shell e outras empresas de petróleo seguirão o exemplo.

Edição Atual

Noticias Relacinadas