Koloma, startup de hidrogênio, levanta US$ 246 milhões com apoio de Bill Gates

 

A Koloma, uma startup focada na extração de hidrogênio de reservas naturais subterrâneas, arrecadou recentemente US$ 245,7 milhões em uma rodada de financiamento. A empresa, com sede em Denver, anunciou a captação em um comunicado à Securities and Exchange Commission (SEC), a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, em 9 de fevereiro. A captação ocorreu logo após a Koloma receber uma bolsa de pesquisa de um programa do Departamento de Energia dos EUA para aprimorar métodos de estimulação da produção subterrânea de hidrogênio.

A rodada de investimentos foi liderada pela Khosla Ventures e contou com a participação do Climate Pledge Fund da Amazon e do Sustainable Flight Fund da United Airlines. Outros investidores no setor de tecnologia limpa incluem o Breakthrough Energy Ventures de Bill Gates e a Energy Impact Partners, elevando a capitalização total da Koloma para mais de US$ 300 milhões.

Paul Harraka, diretor de negócios e cofundador da Koloma, expressou gratidão pelo apoio de algumas das principais empresas e investidores do mundo na recente captação de recursos.

A empresa está comercializando as pesquisas de Tom Darrah, geólogo da Universidade do Estado de Ohio, CTO e cofundador da Koloma. Darrah passou anos estudando onde é mais provável encontrar bolsões de hidrogênio e como aproveitar as técnicas desenvolvidas pela indústria de petróleo e gás para obter o recurso.

O entendimento de que o hidrogênio é gerado naturalmente em bolsões subterrâneos cresceu no último ano. Um “jorro” do gás foi encontrado em uma mina na Albânia, conforme relatado pela Science em 8 de fevereiro.

“Está em todos os continentes. A escala de quanto existe é profunda”, disse Darrah em 2023. Seu laboratório mudou para o Energy Advancement and Innovation Center da Ohio State University, inaugurado em dezembro de 2023.

O hidrogênio é uma fonte de energia flexível. Ele pode ser usado para reduzir as emissões de carbono, alimentar veículos e armazenar ou gerar eletricidade. Atualmente, a maioria do hidrogênio industrial é produzida a partir do vapor, um processo que emite dióxido de carbono. O chamado hidrogênio “verde”, livre de carbono, que é extraído usando energia elétrica de fontes renováveis, é uma alternativa promissora, mas bem mais cara.

Os defensores do hidrogênio geológico acreditam que ele se mostrará a forma mais barata, dada a capacidade de usar técnicas estabelecidas de perfuração de óleo e gás.

“Há mais entendimento de que essa oportunidade existe no mundo, e estamos vendo mais grupos seguindo os passos da Koloma”, disse Andy Lubershane, chefe de pesquisa da Energy Impact Partners, um dos principais investidores da Koloma. “Achamos que eles estão à frente e têm algumas vantagens únicas.”

As regras propostas pelo Departamento do Tesouro para um novo crédito que fornecerá até US$ 3 por quilo de hidrogênio limpo e sem carbono incluem a forma geológica, além do hidrogênio verde.

Edição Atual

Assine nossa newsletter diária

Noticias Relacinadas