Mais de 17,3 milhões de hectares foram queimados em 2023 no país

Em 2023, o Brasil enfrentou uma onda de incêndios que resultou na queima de uma área de mais de 17,3 milhões de hectares, um tamanho maior que o território de alguns estados, como Acre ou Ceará. Isso representou um aumento de 6% em relação a 2022, quando 16,3 milhões de hectares foram atingidos pelo fogo, de acordo com os dados da plataforma Monitor do Fogo, do MapBiomas.

A área total queimada no ano passado corresponde a aproximadamente 2% do território brasileiro. O pico das queimadas aconteceu nos meses de setembro e outubro, atingindo 4 milhões de hectares.

Dezembro de 2023: Um Mês Recorde

Em dezembro de 2023, 1,6 milhão de hectares foram queimados no país, a maior área para o mês desde 2019, quando começou a série histórica. De acordo com o MapBiomas, o aumento se deve principalmente às queimadas na Amazônia.

Ane Alencar, diretora do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) e coordenadora do MapBiomas, avaliou que o El Niño desempenhou um papel crucial no aumento dos incêndios na Amazônia em 2023. Esse fenômeno climático elevou as temperaturas e deixou a região mais seca, criando condições favoráveis à propagação do fogo.

Alencar acrescentou que, se não fosse a redução de mais de 50% no desmatamento, diminuindo uma das principais fontes de ignição, teríamos uma área bem maior afetada por incêndios na região.

Os Biomas Mais Afetados

Os dados revelam que a Amazônia foi o bioma mais afetado pelo fogo em dezembro, com 1,3 milhão de hectares queimados, um aumento de 463% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Na sequência, vem o Pantanal, com 102.183 hectares, e o Cerrado, com 93.939 hectares queimados em dezembro.

As Unidades Federativas Mais Afetadas

O Pará foi a unidade federativa mais afetada no mês, com 658.462 de hectares consumidos pelo fogo, seguido do Maranhão (338.707 hectares) e de Roraima (146.340 hectares). No Pará, a área queimada aumentou 572% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Impacto no Uso e Cobertura da Terra

Em relação ao uso e à cobertura da terra, em 2023, as pastagens foram as mais afetadas pelo fogo, correspondendo a 28% do total da área queimada. Os tipos de vegetação nativa de formação campestre (vegetação com predomínio de gramíneas e outras plantas herbáceas) e de formação savânica (vegetação com árvores distribuídas de forma esparsa e em meio à vegetação herbáceo-arbustiva contínua) corresponderam a 19% e 18% do total de área queimada, respectivamente.

Este artigo destaca a necessidade urgente de políticas eficazes de prevenção de incêndios e gestão da terra para proteger o rico e diversificado ecossistema do Brasil.

Edição Atual

Noticias Relacinadas